Chiclete para astronautas criado por estudantes de Goiás é reconhecido pela Agência Espacial Brasileira

Alunos receberão diplomas em reconhecimento ao projeto inovador. ‘Chiliclete’, goma de mascar com componentes da pimenta, foi campeão do torneio de robótica na Universidade da Nasa, nos Estados Unidos.

Publicado em: 31 de Julho de 2019
Foto Por: Reprodução/TV Anhanguera
Autor: Lis Lopes, G1 GO
Fonte: G1 Goiás.
Chiclete de pimenta criado por estudantes do Sesi, em Goiânia

Desenvolvido por estudantes de Goiás, o “chiliclete” – chiclete de pimenta criado para ajudar astronautas a sentirem o sabor dos alimentos – será reconhecido pela Agência Espacial Brasileira (AEB) nesta quarta-feira (31). Os alunos do Sesi Canaã, de Goiânia, receberão diplomas em reconhecimento ao projeto inovador. A homenagem acontecerá na sede da agência, em Brasília.

 

A invenção do chiclete de pimenta rendeu aos estudantes o maior prêmio do torneio de robótica de West Virginia, realizado entre os dias 12 e 14 de julho, na Universidade da Nasa, nos Estados Unidos.

Segundo o presidente da AEB, Carlos Moura, a vitória dos alunos é "um fato marcante". “É tudo aquilo que a gente quer: a criatividade e a inovação brasileira fazendo a diferença. Esses jovens merecem nosso reconhecimento”, afirmou.

 

Invenção

 

O “chiliclete” foi criado por um grupo de sete alunos do Sesi Goiás para auxiliar os astronautas a sentirem o sabor dos alimentos. Trata-se de uma goma de mascar desenvolvida com componentes da pimenta, que ajudam a devolver os sentidos do olfato e paladar.

 

Segundo os alunos, a ausência de sensibilidade no nariz dos astronautas é ocasionada pela falta de gravidade no espaço, o que faz com que o sangue do corpo se concentre na cabeça e no peito. Com isso, a sensibilidade do nariz é afetada, fazendo com que os astronautas parem de sentir cheiros e sabores.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.