Executores e mandantes da morte de agente da Fasepa são presos durante operação em Santarém

Quadrilha era comandada de dentro de presídios por Rafael Cadáver e "Vela", ligados à facção Comando Vermelho. Agente morreu dois dias após ser alvejado no final de abril.

Publicado em: 26 de Junho de 2019
Foto Por: Débora Rodrigues/TV Tapajós
Autor: Geovane Brito, G1 Santarém — Pará
Fonte: G1
Executores e mandantes da morte de agente da Fasepa são presos durante operação em Santarém

Deflagrada no início da manhã desta quarta-feira (26), a operação “Roleta Russa” das Polícias Civil e Militar prendeu os mandantes e executores que mataram a tiros o agente da Fasepa Derlison Silva, no final de abril, em Santarém, no oeste do Pará. Os mandados de prisão foram cumpridos em outras cidades do estado. Ao todo foram presas oito pessoas.

Desde o dia 24 de abril, dia do crime, a polícia iniciou o trabalho de investigação e conseguiu chegar até as pessoas responsáveis pelo assassinato e que as mesmas faziam parte de uma grande facção criminosa.

As investigações apontaram que a quadrilha agia sob orientação de Rafael do Carmo Pereira "Cadáver" e Paulo Cesar Guimarães conhecido como "Vela", criminosos de alta periculosidade e que estão preso em Belém, ligados à facção criminosa Comando Vermelho.

De dentro do presídio, Rafael e "Vela" deram a ordem para que um preso em Santarém matasse o agente, por vingança, pois Derlison também já foi agente penitenciário. O interno, então, repassou a ordem para outras duas pessoas cometerem a execução no dia 24 de abril. Essa dupla foi presa na operação, sendo que a prisão do atirador ocorreu em Altamira no dia 16 de junho.

À TV Tapajós, o superintendente da Polícia Civil no Baixo Amazonas, delegado Jamil Casseb disse que a operação tem objetivo de desarticular as ações do Comando Vermelho na região. “Elementos envolvidos com essa facção atentaram contra a vida de agentes públicos e estão envolvidos diretamente na morte do agente da Fasepa durante emboscada”, disse.

Outras prisões

As investigações da polícia apontaram que por trás da dupla executora existia o apoio logístico da facção. Desta forma, os membros foram aos poucos sendo identificados.

Um dos criminosos presos durante a “Roleta Russa” foi Magno Pereira dos Santos, e com ele encontrados dezenas de papelotes de droga. Em um vídeo que circula em redes sociais, ele faz homenagem ao Comando Vermelho durante o sepultamento de um membro da organização criminosa. Magno já tinha mandado de prisão em aberto por tráfico de drogas.

No mesmo vídeo aparece o "Urso Branco", identificado como Márcio Gomes Soares, membro que dava o mesmo apoio logístico às ações. Também foi presa a companheira de Magno. Outras cinco mandados de prisão foram cumpridos dentro de presídios.

De acordo com o delegado Jamil Casseb, a jovem é enfermeira de formação e prestava socorro aos membros da organização criminosa quando se feriam. "Ela era encarregada de prestar socorro quando alguém se feria, era baleado ou tinha qualquer tipo de incidente com órgãos de segurança. Inclusive, em um homicídio ocorrido há uns anos atrás, um comerciante foi morto com tiro na cabeça e nós prendemos o autor na casa dela. Ela estava fazendo o atendimento", completou Jamil.

Esquema de ordens até a execução

Membros

 

Participação no crime

Rafael Cadáver e Paulo Cesar Guimarães (Vela) - estão presos em Belém

Chefes do Comando Vermelho na região

Deram ordem de dentro do presídio em Belém para matar o agente em Santarém

Marcos Paulo (Marquinho) - está preso em Santarém

Preso no presídio de Santarém

Recebeu e repassou a ordem para a execução

Edson Costa (Poroca) e Fagner Railan Gomes Lopes

Executores

Poroca atirou e Fagner pilotou a moto

Magno Pereira dos Santos e Márcio Gomes Soares (Urso Branco)

Membros da facção em Santarém

Apoio logístico às ações da facção na região

Fonte: Polícia Civil

Os trabalhos da polícia continuam para que se possa prender outros membros da facção. O delegado titular da Divisão de Homicídios de Santarém, delegado Dmitri Teles, disse que a operação é uma resposta à sociedade porque o caso causou preocupação em relação à exposição de agentes públicos.

O delegado informou ainda que a motivação provável segue a linha de vingança, mas tudo ainda vai ser investigado. "A gente espera concluir ou pelo menos trazer à luz de forma mais cristalizada, para fornecer esse elemento também ao poder judiciário que vai trabalhar a ação penal. A vingança é uma possibilidade, pois a arma é de calibre .40 de uso restrito e é um indício forte", disse.

O crime e falecimento

O agente da Fasepa morreu na sexta-feira (26), dois dias depois de levar quatro tiros no bairro Caranazal em Santarém. Outro jovem também foi atingido, mas Derlison estava em estado gravíssimo e acabou não resistindo. A morte foi confirmada por volta das 5h da manhã.

De acordo com testemunhas, pelo menos quatro tiros acertaram Derlison, principalmente na região abdominal. Um dos disparos, no braço, provocou fratura exposta da vítima.

Derlison tinha 37 anos. A vítima além de ter atuado como agente da Fasepa também foi agente na penitenciária de Cucurunã. Derlison também trabalhou como segurança do ex-prefeito de Santarém, Alexandre Von e em casas noturnas da cidade.

*Colaborou Débora Rodrigues, da TV Tapajós

 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.