Grupo de Guarabu gastava meio milhão de reais em propina para a PM todos os meses

Quadrilha ainda se valia de assistencialismo para manter poder sobre as comunidade na Ilha do Governador. Traficante e quatro comparsas foram mortos nesta quinta-feira (27).

Publicado em: 28 de Junho de 2019
Foto Por: Reprodução
Autor: Felipe Freire, Leslie Leitão e Marco Antônio Martins, TV Globo e G1 Rio
Fonte: G1
Guarabu e Gil: amigos de infância e parceiros no tráfico de drogas

A quadrilha que por 16 anos dominou morros da Ilha do Governador, Zona Norte do Rio, gastava pelo menos R$ 500 mil em propinas para a PM. No topo do esquema estava Fernandinho Guarabu, o traficante mais procurado do Rio, morto em confronto na última quinta-feira (27) ao lado de quatro comparsas.

O rastro do dinheiro foi seguido pela Operação Repugnare Criminis, que culminou na morte dos chefes dos morros do Dendê e do Guarabu. Segundo as investigações, uma rede de propinas e práticas assistencialistas os mantiveram no poder.

De acordo com policiais, Fernandinho Guarabu pagava propinas para policiais corruptos. Num plantão de fim de semana chegava a desembolsar R$ 1.500 por policial, só para que não houvesse qualquer operação em dia de baile funk, evento que atraía jovens de classe média de toda a cidade.

Mortos na ação

Fernando Gomes Freitas, o Fernandinho Guarabu, traficante mais procurado do RJ;

Gilberto Coelho de Oliveira, o Gil ou Incrível Hulk, amigo de infância de Guarabu e seu braço direito;

Antônio Eugênio, o Batoré, ex-PM e responsável por explorar vans na região;

Paulo Cesar da Costa, o Piu, apontado como sucessor do chefe;

Tiago Farias Costa, o Logan, responsável pelo tráfico em localidades da Baixada.

A Operação Repugnare Criminis mirava policiais corruptos que se aliaram a Guarabu e foi cumprir 34 mandados de prisão. Informações da inteligência davam conta de que os chefes do tráfico estavam reunidos no Dendê, e a polícia acabou os encontrando.

A rede de propinas não se limitava ao que era pago pelos homens de Guarabu a policiais. Investigadores descobriram que PMs donos de depósitos de gás transferiam até R$ 80 mil por mês à quadrilha para revender botijões nas favelas.

Durante o cumprimento de mandados de busca e apreensão em residências em favelas na Ilha do Governador e em diferentes batalhões da Polícia Militar, a Corregedoria da corporação encontrou R$ 40 milaté as 15h desta quinta-feira (27). O dinheiro estava em armários de policiais militares e em residências de comerciantes de gás.

Com a morte dos cinco, a polícia investiga agora quem vai assumir a quadrilha.

Ostentação de joias e armas

Guarabu e Gil viviam no alto da comunidade ostentando uma vida entre joias, armas e banhos de piscina.

Imagens obtidas pelo G1 mostram que Guarabu e Gil gostava de pulseiras e cordões dourados com adereços do personagem Hulk, das histórias em quadrinhos e do cinema. As joias que os criminosos usavam não foram encontradas pelos PMs.

Aliás, esse era o apelido que Gil gostava de ser chamado. A cor verde predominava em armas e até no rádio usado pelo criminoso. Nesta quinta, a pistola não foi encontrada. Apenas o coldre e o radiocomunicador.

A adoração pelo personagem era tanta, que Gil colocou um boneco em tamanho natural junto à piscina privativa usada pelo bando no alto do Morro do Dendê.

Uma outra piscina comunitária foi construída para atender os moradores. Em datas festivas, os criminosos organizavam festas e distribuíam presentes. Mas o dia a dia da dupla não se limitava a banhos de piscina e joias.

O Disque-denúncia oferecia R$ 30 mil de recompensa para quem desse informações que levasse à prisão de Guarabu. Contra ele havia 14 mandados de prisão.

O traficante chegou a construir uma igreja evangélica no Morro do Dendê e proibiu outras religiões na comunidade da Ilha do Governador.

Guarabu, certa vez, segundo os policiais, chamou uma equipe de policiais militares ao morro para uma conversa. No encontro, o bandido anunciou a um dos PMs que pagaria a festa de 15 anos da filha.

Em outubro de 2014, a operação Ave de Rapina, desencadeada também pela Secretaria de Segurança, tentou desbaratar o esquema de propinas que ajudava a manter a dupla em liberdade: 14 PMs do batalhão da área foram presos.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.