Ministros chegam a Belém para reunião com governadores da Amazônia

Encontro ocorre nesta segunda-feira (2). Inicialmente, a previsão era de que nove titulares de pastas do governo Bolsonaro participassem do encontro, mas apenas cinco desembarcaram na capital do Pará.

Publicado em: 02 de Setembro de 2019
Foto Por: Andréa França/G1 Pará
Autor: G1 PA — Belém 
Fonte: G1 PA — Belém 
Ministros se reúnem em Belém. Em pauta as queimadas na Amazônia

Cinco ministros do governo Bolsonaro chegaram na manhã desta segunda-feira (2) a Belém, para uma reunião com governadores da Amazônia Legal. O governo federal quer discutir com os estados medidas de combate às queimadas, preservação da Floresta Amazônia e desenvolvimento econômico. Nesta terça-feira (3), o grupo segue para Manaus, onde participa de uma segunda reunião sobre o assunto.

Estão na comitiva os ministros:

  • Onyx Lorenzoni (Casa Civil);

  • Ricardo Salles (Meio Ambiente);

  • Fernando Azevedo (Defesa);

  • Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento);

  • Jorge Oliveira (Secretaria Geral da Presidência da República).

Dos 9 governadores da Amazônia Legal, estão presentes:

  • Helder Barbalho (Pará);

  • Mauro Carlesse, (Tocantins);

  • Mauro Mendes (Mato Grosso);

  • Waldez Góes (Amapá e presidente do consórcio interestadual da Amazônia Legal);

  • Carlos Brandão (vice do Maranhão).

 Na semana passada, o governo Bolsonaro anunciou que 9 ministros comporiam a comitiva que visitrá Belém e Manaus. Além dos que já estão em Belém, a previsão era que Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos) e Bento Albuquerque (Minas e Energia) também participassem.

Questionada pelo G1, a Casa Civil da Presidência da República informou que os outros ministros não foram por "questão de agenda", mas enviaram seus secretários-executivos.

Demarcação de terras

Na última terça-feira (27), em reunião com chefes do executivo estadual que compõem a Amazônia Legal, Jair Bolsonaro criticou a política de governos anteriores para demarcação de terras indígenas, quilombolas e áreas de preservação ambiental.

 "Com todo respeito aos que me antecederam, foi uma irresponsabilidade essa política adotada no passado no tocante a isso, usando o índio como massa de manobra", afirmou o presidente no encontro, promovido no Palácio do Planalto para debater queimadas na região.

"Muitas reservas têm o aspecto estratégico, que alguém programou. O índio não faz lobby, não fala a nossa língua e consegue hoje em dia ter 14% do território nacional. Vou fazer, no final, breve histórico disso, mas uma das intenções é nos inviabilizar."

Bolsonaro também disse: "A Amazônia não vou dizer que ficou esquecida. Ela foi é usada, politicamente, acho que desde [o governo Fernando] Collor de Mello, mais ou menos – tá certo? – pra cá".

Para o presidente "essa questão ambiental tem que ser conduzida com racionalidade, e não com essa quase que selvageria, como foi conduzida ao longo dos últimos governos". "E o problema, né?, a febre agora está chegando aqui, batendo bastante alto no governo atual", concluiu.

 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.