PF encaminha à PGR relatório sobre investigação da conduta de policiais no caso Marielle Franco

Dodge pediu que a PF apurasse a conduta dos investigadores da Polícia Civil no caso após indícios de irregularidades. Um dos investigados é um delegado da Polícia Federal.

Publicado em: 23 de Maio de 2019
Foto Por: Renan Olaz/Câmara Municipal do Rio de Janeiro/AFP/Arquivo
Autor: Marco Antônio Martins, G1 Rio
Fonte: G1
Marielle Franco, em foto de fevereiro de 2018

A Polícia Federal encaminhou o relatório sobre a investigação da conduta de policiais nas mortes da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes à Procuradoria Geral da República. O documento está com a procuradora-geral, Raquel Dodge.

A informação foi inicialmente publicada pela colunista Mônica Bergamo, da Folha de São Paulo, e confirmada pela TV Globo.

Dodge pediu que a PF apurasse a conduta de agentes das polícias Civil e Federal no caso após indícios de irregularidades. Um dos investigados foi um delegado da própria PF. O relatório tem 600 páginas.

A vereadora Marielle Franco foi morta a tiros no dia 14 de março de 2018 no bairro do Estácio, na Região Central do Rio, quando voltava de um evento na Lapa. O motorista do veículo, Anderson Gomes, também foi atingido e morreu.

No dia 12 de março deste ano, o policial militar reformado Ronnie Lessa e o ex-PM Élcio de Queiroz foram presos por suspeita de envolvimento no crime. Para os investigadores, Ronnie teria sido o autor dos disparos e Élcio dirigia o carro usado no dia do crime. Ambos estão em um presídio federal fora do Rio. As investigações se concentram na busca pelo mandante.

Em maio deste ano, a Justiça do RJ negou o pedido de liberdade feito pela defesa de Élcio Queiroz. Ficou marcada para o dia 7 de junho a data de instrução e julgamento do caso.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.