Quedas de barreiras interditam as rodovias Rio-Santos, Anchieta e Tamoios no litoral de SP

Em Ubatuba, 12 famílias estão desalojadas e, em Caraguatatuba, uma. Escola suspendeu as aulas em Caraguá. Ruas nas duas cidades estão alagadas.

Publicado em: 17 de Maio de 2019
Foto Por: Concessionária Tamoios/Divulgação
Autor: G1 Vale do Paraíba e Região
Fonte: G1
Concessionária informou que houve queda de barreira durante a madrugada, quando a rodovia já estava fechada por risco de deslizamento

A chuva que atinge o litoral de São Paulo desde a tarde de quinta-feira (16) deixou 12 famílias desalojadas em Ubatuba, uma em Caraguá e causa alagamentos. Quedas de barreiras interditam a serra da rodovia dos Tamoios, e a rodovia Rio-Santos, em São Sebastião, e Anchieta, em Cubatão. A previsão é de mais chuva durante todo o dia nesta sexta-feira (17).

 

Em Ubatuba, de acordo com o pluviômetro do Centro de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais (Cemaden), choveu mais 200 milímetros nas últimas 24 horas no Centro. A cidade está em estado de alerta. Sete escolas municipais tiveram as atividades suspensas de manhã e, à tarde, todas ficarão fechadas.

 

Segundo a Defesa Civil, o rio Tavares transbordou. Doze famílias - equivalente a 32 pessoas - , nos bairros Estufa I e Parque Guarani, tiveram que deixar as casas e estão na escola municipal Presidente Tancredo de Almeida Neves. O número de desalojados deve aumentar, segundo a prefeitura.

 

O cozinheiro Uilton Viana, do Parque Guarani, contou que por volta de meia-noite ele e a família começaram a levar móveis e utensílios que têm em casa para o primeiro andar do sobrado. A água do rio transbordou e invadiu a casa da família dele por volta de 2h.

 

"O rio transbordou e até agora [por volta de 9h] não parou de chover, estamos preocupados. Deste jeito a água não vai baixar", disse.

 

Em Caraguatatuba, onde o volume de chuva superou 180 milímetros, no Massaguaçú, ruas dos bairros Olaria e Getuba estão alagadas. Uma família está desalojada no Perequê.

 

Um morador deficiente precisou da ajuda de vizinhos para deixar a casa no Perequê-Mirim. A água invadiu a casa dele e o resgate foi feito de bote.

 

No Getuba, as aulas na escola municipal Maria Thereza foram suspensas. Nas escolas dos bairros Tabatinga, Massaguaçu, Olaria, Casa Branca e Perequê o atendimento está sendo reduzido porque funcionários e professores não conseguiram chegar às unidades.

 

Em São Sebastião, a prefeitura informou que suspendeu as aulas em todas unidades da rede municipal.

 

Rodovias

 

Ainda em Caraguá, a Tamoios está interditada há mais de 12h, a partir de 17h16 de quinta-feira, por causa do risco de deslizamentos. O protocolo de segurança da rodovia prevê que quando o volume de chuva ultrapassa 100 milímetros em 72 horas, o corredor seja fechado. Não há previsão de liberação.

 

De acordo com a concessionária, houve queda de barreiras nos kms 73 e 78 durante a madrugada. A interdição aos motoristas é feita na altura do km 58, no sentido litoral, e no km 81, na pista sentido São José dos Campos.

 

Na Anchieta, a queda de barreira foi por volta das 20h de quinta, no Km 46 da pista sul. Parte da vegetação do morro caiu na pista. Não há previsão de liberação.

 

Em São Sebastião a rodovia Rio Santos está interditada na região da praia da Figueira, entre os quilômetros 121 e 122 por causa de queda de barreira. De acordo com o Corpo de Bombeiros, há uma equipe no local na manhã desta sexta-feira (17) para fazer a liberação - até 10h, o trabalho estava sendo feito.

 

Em Ilhabela a Estrada de Castelhanos está interditada por causa da queda de uma barreira. Não há desabrigados no arquipélago.

 

Balsa

 

A travessia da balsa entre São Sebastião e Ilhabela está lenta nesta manhã por causa do mar agitado.

 

As embarcações seguem operando, mas a manutenção do serviço depende da estabilidade do tempo. Um alerta da Marinha, emitido na quinta à noite, apontou risco de ondas de até 3,5 metros.

 

Abastecimento

 

A Sabesp informou que, com a chuva, os sistemas de abastecimento estão prejudicados, principalmente na região de Água Branca, em Ilhabela. A operação no local e, em outros pontos, é reduzida.

 

Isso porque os são mananciais de serra, com pequenos barramentos nas cachoeiras. A chuva intensa aumenta o volume de água e a velocidade com que ela se desloca traz lama, pedras, galhos e outros resíduos que atingem as captações e comprometem o tratamento

 

Os sistemas da Água Branca, em Ilhabela; Massaguaçu, em Caraguatatuba; Boiçucanga, em São Sebastião; e Carolina, em Ubatuba, foram os mais afetados

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.