Mercado piora previses para PIB de 2016 e 2017

Publicado em: 04 de Abril de 2016
Foto Por: Ueslei Marcelino/Reuters
Fonte: Veja.com
Levantamento do Banco Central feito com mais de 100 instituies financeiras

Economistas ouvidos pelo Banco Central (BC), no boletim Focus, pioraram, novamente, a previsão para o Produto Interno Bruto (PIB), tanto para 2016, como para 2017. Para este ano, a expectativa atual é de uma contração de 3,73%, contra uma retração de 3,66% estimada na semana anterior. Foi a décima primeira piora consecutiva do indicador. Para o ano que vem, a estimativa foi reduzida pela terceira vez seguida, ao passar de alta de 0,35% para um avanço de 0,30%.

Em 2015, o PIB brasileiro teve um tombo de 3,8%, o maior em 25 anos, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Se o resultado for negativo este ano, será a primeira vez que o país registra dois anos seguidos de contração na economia, considerando a série histórica oficial, do IBGE, com início em 1948.

Já para a inflação, o mercado reduziu a estimativa pela quarta vez seguida neste ano, ao cair de 7,31% para 7,28%. Apesar do recuo, o número ainda está acima do teto de 6,5% da meta do governo e bem distante do objetivo central de 4,5%. Para 2017, a projeção do mercado se manteve em 6%, exatamente no teto do regime de metas para o ano que vem.

O alívio na previsão de inflação do mercado para este ano começou após a divulgação do IPCA de fevereiro, que desacelerou para 0,9%, contra 1,27% no mês anterior.

Para os juros, o mercado baixou reduziu de 14,25% para 13,75% a estimativa para a taxa Selic no fim deste ano. Já para o fim de 2017, a estimativa para a taxa de juros permaneceu inalterada em 12,50% ao ano.

No caso do dólar, a projeção para o câmbio no fim de 2016 caiu de 4,15 reais para 4 reais. Para o fechamento de 2017, a previsão recuou de 4,20 reais para 4,10 reais.

 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.