Agudás, Almeida e cultura: por que o Benim é o Brasil na Copa Africana

Pequeno país africano eliminou Marrocos e está nas quartas de final do torneio. Muitos dos escravizados no Brasil retornaram ao país e levaram com eles culinária, festejos e arquitetura

Publicado em: 10 de Julho de 2019
Foto Por: Reuters
Autor: Felipe Schmidt — Rio de Janeiro
Fonte: Globo Esporte
Sessi D'Almeida, jogador do Benim, carrega no sobrenome a ligação histórica entre o Brasil e o país africano

Angola e Guiné-Bissau, os únicos países lusófonos da Copa Africana, já deram adeus à competição. Mas ainda sobrou uma seleção com ligação com o Brasil: o Benim. Esta é uma história que começa há alguns séculos e resiste até hoje no pequeno país que antes se chamava Daomé.

Não é por acaso que no meio-campo da seleção beninense atua um jogador chamado Sessi D'Almeida. O sobrenome português é um indício da ligação de séculos entre o Benim e Brasil.

- Eles se consideram mesmo descendentes dos brasileiros, aqueles que voltaram para a África. Voltam com uma série de influências daqui. É uma comunidade ativa, atuante, que continua. Vivem naquele círculo da comunidade brasileira do Benim. O que se fala é que se sentem uma comunidade própria, torcem pela seleção brasileira - explicou o historiador Luiz Antônio Simas.

+ Ziyech perde pênalti no fim, e Marrocos é eliminado por Benin na Copa Africana

Tudo começa no século XVI, quando ganha força o tráfico de escravos da África para o Brasil. O então reino do Daomé, encravado entre o que hoje são Gana e Nigéria, era um dos entrepostos portugueses no negócio, na então chamada Costa dos Escravos.

Muitos dos escravizados que vieram ao Brasil cultivaram o desejo de retornar à terra natal. E o fizeram de duas formas principais: em 1835, eclodiu na Bahia a Revolta dos Malês, escravos em sua maioria muçulmanos. Derrotados, muitos deles foram levados de volta à África - e Porto Novo, hoje a capital de Benim, era o destino mais comum.

Outros, que se tornaram escravos de ganho, conseguiram comprar sua alforria. Chamados de agudás - nomeados assim porque chegavam no porto da cidade de Uidá, aportuguesada como Ajuda -, levaram com eles traços da cultura brasileira quando retornaram ao Benim, assim como os sobrenomes de seus antigos senhores.

+ Além do cinema: com Romario Baggio e franceses, Madagascar é a surpresa da Copa Africana

Os agudás eram africanos no Brasil e brasileiros na África.

- É o fluxo e o refluxo. O processo de escravidão não foi uma via de mão única, da África para o Brasil. Eles não são mais africanos, mas africanos brasileiros. Levaram o Brasil de volta para a África - prosseguiu Simas.

Uma outra parcela foi de comerciantes baianos. O mais famoso foi Francisco Félix de Souza, que enriqueceu com o tráfico negreiro e decidiu se mudar para o Benin. Lá, ganhou o título de Chachá, uma linhagem de nobreza que existe até hoje.

+ Com Salah em campo e em casa, Egito é eliminado da Copa Africana pela surpreendente África do Sul

Culinária, festejos e arquitetura

No Benim, os agudás preservaram tradições como os festejos, as roupas e a culinária (veja no vídeo abaixo). Apenas a língua não resistiu: o Daomé foi colonizado pela França e adotou o idioma, embora os "brasileiros" preservem algumas frases em português.

Ao todo, estima-se que entre 5% e 10% da população beninense seja descendente de escravizados ou comerciantes baianos que emigraram para o país.

- Em Porto Novo, tem a festa do Senhor do Bonfim. Certamente é um processo levado para lá pelos agudás. Tem a burrinha, um folguedo da cultura popular, similar ao bumba-meu-boi. Tem uma culinária baiana que vai da África para a Bahia, se redefine na Bahia e volta para a África. Quitutes baianos, como sarapatel, a maneira como se faz o abará, isso é muito presente no Benim. E há bairros chamados de brasileiros, com uma arquitetura de características portuguesas. Há um fluxo entre o Benim e a Bahia que é muito forte - explicou Simas.

Em 2003, a escola de samba Unidos da Tijuca cantou a história dos Agudás no Carnaval. O enredo se chamava "Agudás, Os Que Levaram a África No Coração, e Trouxeram Para o Coração da África, o Brasil", e o samba foi um dos mais elogiados daquele ano.

Segundo o antropólogo brasileiro Milton Guran, autor do livro "Agudás, os brasileiros do Benin", há cerca de 400 sobrenomes brasileiros ou portugueses no país. O Almeida de Sessi provém daí.

Sessi D'Almeida, um beninense francês - e um pouco brasileiro

Sessi, na verdade, nasceu em Bordeaux, na França. Chegou a jogar no Paris Saint-Germain até passar a perambular por ligas menores. É um dos pilares de um time que chegou às quartas de final sem vencer um jogo sequer: foram quatro empates, o último deles diante do Marrocos, um dos grandes favoritos.

A marcação é a grande força da seleção. O time conseguiu fazer jogo duro contra Gana e Marrocos. O principal jogador é o atacante Mickael Poté, de 34 anos, que atua na Turquia e fez carreira na França.

O nome mais famoso é o do meia Stéphane Sessègnon, de 35 anos. Como muitos de seus companheiros, começou a carreira na França e jogou durante três anos no PSG, para depois defender Sunderland e West BromWich na Premier League inglesa.

O Benim volta a campo nesta quarta-feira, às 13h (de Brasíia). A equipe enfrenta Senegal pelas quartas de final da Copa Africana de Nações. Esta já é a melhor campanha do país na história do torneio.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.