Análise: com poucas convicções, Corinthians chega para primeira decisão de 2019 "em construção"

Empate em Londrina e derrota em Novo Horizonte deixam dúvidas no Corinthians ideal

Publicado em: 11 de Fevereiro de 2019
Foto Por: Thiago Calil/Agif/Estadão Conteúdo
Autor: Marcelo Braga — São Paulo
Fonte: Globo Esportes
Mateus Vital teve chance no Corinthians, mas não mostrou boa atuação

O torcedor precisa sempre lembrar: ainda é um início de trabalho para o Corinthians. Foram dez reforços adicionados ao elenco, que ainda receberá os zagueiros Lucão e Bruno Méndez.

 

Até aqui, sete jogos oficiais em 21 dias, uma média de uma partida a cada três dias. Três derrotas, dois empates e duas vitórias. Muitas novidades, futebol sem criatividade e poucas convicções.

 

Normal, mas preocupante pelo próximo jogo: contra o Racing, quinta, na estreia da Copa Sul-Americana. Para eliminar o líder do Campeonato Argentino na primeira fase da competição, vencer em casa é quase obrigatório, já que a volta em Avellaneda promete ser muito complicada.

 

Mas o empate por 2 a 2 contra o Ferroviário-CE, pela Copa do Brasil, em atuação sofrível, e a derrota por 1 a 0 para o Novorizontino, no Paulistão, em tarde apática, deixam o torcedor ressabiado pela demora na engrenagem da equipe. Até o momento, não há evolução. E a defesa tem sofrido.

 

O que o Corinthians tem de consolidado? Cássio, Fagner, Ralf, Jadson e Gustagol. O centroavante, aliás, com cinco gols em oito partidas, é o grande alento do time na temporada.

 

Dúvidas, há diversas.

 

Sobre o esquema tático, o time tem variado entre o 4-2-3-1, como em Novo Horizonte, e o 4-1-4-1, como foi na vitória por 1 a 0 contra o Palmeiras, quando o time buscou o gol, marcou com enorme eficiência e saiu vencedor com todos os méritos. A fase, admite Carille, ainda é de testes.

Vagner Love, por exemplo, busca o encaixe perfeito. Atuou mais pela beirada do campo em Londrina e, em Novo Horizonte, foi um "falso 10", flutuando atrás de Mauro Boselli. Com certeza, será importante para o time. O que ainda é necessário é um desenho tático que lhe favoreça.

Como parece ser o caso também de Ramiro e de Sornoza, que ainda não conseguiram jogar com qualidade no Corinthians, mesmo recebendo oportunidades de Carille em várias funções.

Por vezes, o time tem sofrido com a falta de profundidade, de velocidade pelo lado. Clayson está voltando de lesão, enquanto Pedrinho não tem conseguido fazer bons jogos. A falta de resposta individual de jogadores tem acometido também Mateus Vital, Ángelo Araos, André Luis...

E o que dizer da defesa? São oito gols sofridos em sete partidas disputadas. A maioria deles nascidos em lances de bola parada, exatamente como aconteceu contra o Novorizontino. Algo que atrapalhava o Corinthians com Jair Ventura no ano passado e ainda não foi resolvido.

A "dupla ideal", formada por Manoel e Henrique, foi mal em Londrina. Marllon, por sua vez, foi bem em Novo Horizonte.

Não há dúvidas sobre a capacidade de Fábio Carille em montar equipes vencedoras, mas é preciso paciência. A sequência desta semana pode consolidar ideias e, diante de bons resultados contra Racing e São Paulo, ser definitiva para o amadurecimento do Corinthians enquanto equipe. Ou pode jogar, pela primeira vez, pressão num treinador que voltou ao clube nos braços da torcida.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.