Fora da Rio-2016, Esquiva projeta conquista de cinturo no Brasil

Publicado em: 02 de Abril de 2016
Foto Por: AFP PHOTO / JOE KLAMAR
Fonte: Uol

Depois de uma reunião com os representantes de sua carreira, Esquiva Falcão decidiu que o caminho a ser percorrido é o do cinturão na categoria dos médios do boxe. Com isso, o brasileiro deixa para trás o sonho de disputar mais uma edição dos Jogos Olímpicos e passa a se concentrar na possibilidade de conquistar um título em solo brasileiro, no mês de outubro.

"Tive uma reunião com a minha equipe e eles me perguntaram o que eu queria: ser campeão olímpico ou mundial. E respondi que ser campeão mundial, porque a medalha olímpica eu já tenho. Ela é de prata, mas para mim vale ouro", afirmou Esquiva, em contato com o UOL Esporte. "Ir para os Jogos Olímpicos seria um passo atrás. Quero caminhar para frente, em busca do título mundial".

Apesar de não ser mais amador, Esquiva ganhou uma chance de disputar mais uma edição dos Jogos Olímpicos quando a Federação Internacional de boxe (Aiba) sugeriu que os lutadores profissionais fossem liberados para a competição.

Invicto em sua carreira profissional, com 13 vitórias, Esquiva tem compromisso marcado para 14 de maio, quando enfrentará o mexicano Paul Valenzuela (10-2). Depois disso, a expectativa é de um combate no Brasil, sem local definido, com a chance de valer cinturão.

"Sou um atleta bastante focado. Gosto de focar em um objetivo e treinar para ele. E meu foco é a luta de maio. Estou treinando bastante e quero o nocaute", afirmou Esquiva. "Quero chegar invicto no Brasil. Não tenho grandes detalhes ainda, mas no Brasil, com certeza, a luta vai valer um cinturão".

De fora, Esquiva prevê recorde brasileiro na Rio-2016

Mesmo sem seu medalhista de prata, Esquiva acredita que a delegação brasileira chegará forte para os Jogos do Rio, em agosto. O pugilista acredita que até quatro medalhas poderão ser conquistadas, um recorde para o país – a edição de 2012 trouxe três pódios, com Adriana Araújo (bronze), Yamaguchi Falcão (ouro) e o próprio Esquiva.

"Eu seria mais um grande nome para seleção. Mas temos vários nomes com chances de conquistar medalhas. Posso citar o Robson Conceição, Patrick Lourenço, Michel Borges e o Robenílson de Jesus. Eles tiveram bons resultados nos últimos três anos e têm grandes chances. Acredito na conquista de umas três ou quatro medalhas para o Brasil. Eles estão muito bem. O Brasil está bem", afirmou.

Sem Esquiva, a categoria dos médios é a única que ainda falta a definição de um representante brasileiro para os Jogos Olímpicos. O baiano Pedro Lima foi eliminado do Pré-Olímpico das Américas, em Buenos Aires, na segunda rodada. Agora, só há mais uma seletiva, o Pré-Olímpico Mundial, entre 7 e 19 de junho, no Azerbaijão.

Nas outras categorias, a CBBoxe divulgou no dia 10 de março lista de cinco convocados para a Rio-2016 no masculino: o mosca ligeiro Patrick Lourenço (49 kg), o mosca Julião Neto (52 kg), o galo Robenilson de Jesus (56 kg), o meio médio ligeiro Joedilson Teixeira (64 kg) e o meio pesado Michel Borges (81 kg). Além deles, Robson Conceição (60kg) já tem vaga.

 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.