Investigado por transporte internacional de cocaína em aviões é preso enquanto almoçava na praia da Graciosa

Moyses Woberto Tosin Júnior respondia ao processo da operação Flak em liberdade, mas voltou para a prisão após supostas ameaças contra o administrador dos bens.

Publicado em: 12 de Setembro de 2019
Foto Por: Ana Paula Rehbein/TV Anhanguera
Autor: Ana Paula Rehbein, TV Anhanguera
Fonte: G1 Tocantins
Moyses Woberto Tosin Júnior ao ser preso em Palmas

Por A Polícia Federal prendeu no começo da tarde desta quarta-feira (11) Moyses Woberto Tosin Júnior, um dos alvos da operação Flak, que investiga o transporte internacional de cocaína em aviões. Woberto tinha sido preso na primeira fase da operação, mas respondia ao processo em liberdade. Ele voltou para a cadeia porque teria feito ameaças contra o administrador dos bens dele. A nova prisão deve foi determinada pelo juiz federal Pedro Felipe de Oliveira Santos

O suspeito foi encontrado enquanto almoçava em um restaurante na praia da Graciosa, em Palmas. Ele foi levado para a sede da Polícia Federal para prestar depoimento e deve passou pelos exames de rotina no Instituto Médico Legal antes de ser transferido para um presídio. No IML Tosin foi abordado pela imprensa, mas não quis dar declarações.

Entre as mensagens enviadas por ele estariam textos como: "Vou colocar vc no seu lugar" e "Se Deus me ajudar te pego". Eles teriam sido dirigidos a pessoas que ficaram responsáveis pela administração dos bens dele enquanto estiverem sequestrados pela Justiça, entre eles a fazenda e rebanhos de gado.

Na decisão que autorizou a realização da Operação Flak, os investigadores afirmaram que Moyses Woberto auxiliava no esquema guardando as aeronaves no próprio hangar e que uma das fazendas dele, no Pará, era ponto de apoio do grupo. Um dos aviões que foi alvo de busca e apreensão na época está listado como pertencendo a ele.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.