Rogério Freitas questiona posição de Júnior Geo na CPI do PreviPalmas em recusar ouvir vereadores

Publicado em: 08 de Novembro de 2018
Foto Por: ASCOM Rogério Freitas
Autor: ASCOM Rogério Freitas
Fonte: Ascom
Ver. Rogério Freitas

Nesta terça-feira, 7, o vereador Rogério Freitas (MDB), líder do Bloco Independente na Câmara de Palmas, usou a tribuna para questionar o presidente da CPI do PreviPalmas, vereador Júnior Geo, em impedir os vereadores de falarem, durante a CPI, ocorrida nesta terça-feira, 6.

 

Conforme Freitas, Geo não conduziu os trabalhos como deveria e de forma imparcial. 

 

Segundo o parlamentar, o vereador Júnior Geo agiu de forma monocrática, arbitrária e vetou que parlamentares que não fossem membros da CPI realizarem perguntas durante a audiência pública, que na ocasião, contou com a convocação do ex-prefeito de Palmas, Carlos Amastha.

 

Freitas questionou ainda o fato de que as perguntas a serem feitas pelos membros da CPI do PreviPalmas, aos convocados deveriam ser encaminhadas antecipadamente à presidência da Comissão, conforme Memorando Circular nº 15/2018.

 

No entanto, segundo o parlamentar, o Memorando Circular nº 15/2018, confronta diretamente Regimento Interno da Câmara de Palmas, que diz no artigo 40, que mesmo que não seja membro, o parlamentar poderá participar da Comissão da discussão de matéria:

 

"O vereador que não seja membro da Comissão, poderá participar da discussão de matéria em estudo e apresentar sugestões, por escrito, sendo-lhe vedado o direito de voto".

 

Freitas ainda contou a posição do vice-presidente, Vandim do Povo (PSDC), durante a reunião de ontem, ao pediu que a CPI fosse suspensa por cinco minutos para que a Comissão fosse deliberar acerca do trâmite que seria conduzido os trabalhos. "Mas não foi ouvido.", e finalizou, "O vereador Júnior Geo atropelou o Regimento Interno".

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.