Após pedido de Carlesse, presidente do Senado diz que vai se reunir com presidente da CEF para agilizar empréstimos

Publicado em: 20 de Agosto de 2019
Foto Por: Esequias Araújo/Secom
Autor: Cleber Toledo
Fonte: Cleber Toledo
O governador Mauro Carlesse com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, e congressistas em reunião no hangar do Estado

Após os encontros e desencontroso governador Mauro Carlesse (DEM) e o presidente do Senado Federal, Davi Alcolumbre (DEM), realizaram reunião no sábado, 17, para debater as demandas tocantinenses. Ao contrário do que inicialmente anunciado pela Secretaria de Comunicação Social (Secom), o encontro não ocorreu no Palácio Araguaia, mas no hangar do Estado, em Palmas.

Apoio para empréstimos

Ainda sem garantia da liberação dos R$ 583 milhões em empréstimos com a Caixa Econômica Federal (CEF) para obras de infraestrutura, Mauro Carlesse aproveitou a presença de Davi Alcolumbre para pedir apoio na viabilização destes recursos. Na ocasião, o governador teria explicado que os investimentos impactarão positivamente toda a população tocantinense em virtude do aumento da oferta de emprego, a prestação mais eficiente dos serviços de saúde e o desenvolvimento local.

Empréstimos de até 12% da RCL

Em outro documento para o presidente do Senado o governador solicita que a União assegure procedimentos de operações de crédito na ordem de 12% da receita corrente líquida (RCL), conforme metodologia da Secretaria do Tesouro Nacional (STN) utilizada para a consecução do Plano de Promoção do Equilíbrio Fiscal (PEF). Tal pedido também visa garantir os empréstimos junto à CEF.

Alcolumbre garante suporte

O senador David Alcolumbre agradeceu a recepção do governador Mauro Carlesse e disse que está à disposição do Tocantins para apoiar as demandas. “Na próxima semana vamos nos reunir com a Presidência da Caixa para agilizar essas contratações”, sustentou.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.