Eduardo Siqueira critica deciso do Estado de ceder 100 PMs aos Jogos do Rio

Publicado em: 05 de Abril de 2016
Foto Por: Divulgao
Fonte: Cleber Toledo
Eduardo: u201cJ temos mais de 300 cedidos para os Poderes e rgos e agora vamos ceder mais 100?u201d

O assustador aumento da criminalidade em Palmas e no interior do Estado, o reduzido número de policiais militares nas ruas, a cessão de policiais militares para os demais órgãos e poderes e em desvio de função, e a possibilidade de o Tocantins ceder outros 100 policiais para a Força Nacional de Segurança que atuarão nas Olimpíadas do Rio de Janeiro; foram temas do pronunciamento do deputado Eduardo Siqueira Campos (DEM), durante a sessão desta terça-feira, 5, na Assembleia Legislativa do Tocantins. O parlamentar apresentou requerimento, para que ao invés de ceder policiais, o governo peça reforço à Força Nacional para combater a criminalidade.

O deputado considerou grave o anúncio da possibilidade do Tocantins ceder 100 dos seus policiais militares para integrarem a Força Nacional. “Quem está precisando de reforços somos nós [Estado do Tocantins]”, frisou. O parlamentar apresentou o requerimento, para que o governador do Estado, Marcelo Miranda (PMDB), peça ao governo Federal que encaminhe integrantes da Força Nacional ao Tocantins, que ajudariam no combate à criminalidade. “Já temos mais de 300 cedidos para os Poderes e órgãos e agora vamos ceder mais 100?”, indagou o deputado, considerando o número de militares longe das ruas expressivo.

Concurso
Segundo Eduardo, quando o ex-governador Siqueira Campos assumiu mandato em 2011, o Tocantins possuía apenas 12 soldados e determinou a realização de concurso, resultando na posse de mais de 420 novos militares. O deputado destacou as ocorrências do fim de semana e apresentou dados de municípios sem policiais e a necessidade de reforço no efetivo. “Quando pensamos que uma ocorrência desta vai provocar no governo uma imediata convocação de concurso público, somos surpreendidos com a notícia da cessão para a Força Nacional”.

Respostas
O parlamentar reapresentou requerimento solicitando novamente ao Comando Geral da Polícia Militar uma resposta oficial sobre o número de policiais militares cedidos aos demais órgãos e poderes do Estado. O parlamentar reclamou da ausência de resposta em relação ao primeiro requerimento apresentado com a mesma finalidade. Conforme o deputado, é uma prática do atual governo não responder aos requerimentos da Assembleia Legislativa.

Assembleia
Eduardo Siqueira voltou a solicitar que a Assembleia Legislativa devolva os militares cedidos. “Que este poder implante a Polícia Legislativa e deixe que os militares fiquem à disposição da população”, finalizou.

Morte de PMs
Em três dias, dois policiais foram mortos no Tocantins. Na madrugada desse domingo, 3, em Colméia, durante atendimento a uma ocorrência naquela cidade, o sargento da Polícia Militar (PM) Paulo Pereira das Silva, 38 anos, foi morto com um tiro na cabeça. Com a vítima estava o também sargento Josafá Ferreira de Araújo, que ficou ferido e foi encaminhado para um hospital em Palmas.

Na sexta-feira, 1º, o policial militar Ivan Borges de Lima, 31 anos, foi morto por assaltantes na Quadra 1.012 Sul, no setor industrial de Palmas. Lima trocou tiros com os bandidos, matou os dois, mas, ferido, foi levado Hospital Geral de Palmas e não resistiu.

Violência na Capital
A Secretaria de Segurança Pública (SSP) confirmou nesta terça-feira, 5, que só na Capital foram registradas dez ocorrências de mortes neste final de semana. Deste número, oito foram homicídios.

Além do policial Ivan Lima e dos dois assaltantes que morreram na sexta-feira, na madrugada de sábado, 2, no Jardim Taquari, dois homens, que não tiveram as identidades divulgadas, morreram após confronto com uma equipe da Força Tática do 6º Batalhão da Polícia Militar (PM). A PM informou que a moto usada pelos bandidos tinha sido roubada horas antes do confronto. (Com informações da assessoria de imprensa do deputado Eduardo Siqueira)

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.