Em resposta a jornal, Dilma reafirma que jamais renunciar

Publicado em: 04 de Abril de 2016
Foto Por: Wilson Dias/Agncia Brasil
Fonte: Jornal do Tocantins

São Paulo - A presidente Dilma Rousseff respondeu ao editorial do jornal Folha de S.Paulo ("Nem Dilma nem Temer") - publicado ontem -, dizendo que "jamais renunciará".

O texto foi colocado no perfil oficial da presidente no Facebook. “Setores favoráveis à saída de Dilma, antes apoiadores do impeachment, agora pedem a sua renúncia. Evitam, assim, o constrangimento de respaldar uma ação 'indevida, ilegal e criminosa’”.

Ao editorial fica a resposta da presidente: “Jamais renunciarei”, diz a publicação, acompanhada de um vídeo com trechos de discursos anteriormente proferidos pela presidente. Não é a primeira vez que Dilma nega a renúncia.

O editorial “Nem Dilma nem Temer” afirma que a presidente perdeu as condições de governar o país e, por isso, deve renunciar.

O texto defende ainda que o vice-presidente Michel Temer (PMDB) renuncie para que possam ser convocadas novas eleições.

Impeachment

O advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, principal encarregado de elaborar a defesa da presidente Dilma Rousseff, falará hoje à comissão da Câmara que analisa o pedido de impeachment da petista.

A informação foi dada pelo presidente da comissão, Rogério Rosso (PSD-DF). “O ministro Cardozo irá protocolar a defesa às 16h30 e fará suas considerações sobre a defesa, na comissão, às 17h”, afirmou Rosso.

Hoje, encerra-se o prazo de dez sessões plenárias para que Dilma apresente sua defesa. No dia seguinte, já tem início o período de cinco sessões para que o relator, Jovair Arantes (PTB-GO), apresente seu parecer, que deverá ser votado pela comissão.

O relatório deverá ser publicado no Diário da Câmara e só poderá ir para votação no plenário dois dias depois da publicação.

 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.