Esplanada tem retornos fechados para ato pr-Dilma

Publicado em: 31 de Março de 2016
Foto Por: Mateus Rodrigues/G1
Fonte: G1
Manifestantes usam cartazes com mensagens contra impeachment para escrever nome da presidente Dilma Rousseff em Braslia

Manifestantes usaram cartazes com a mensagem contra o impeachment para formar a mensagem "Dilma fica" em frente ao Palácio do Planalto, em Brasília, na manhã desta quarta-feira (31). Eles afirmaram que pretendem confeccionar "Fora, Cunha", em alusão ao presidente da Câmara dos Deputados.

De acordo com a Secretaria da Segurança Pública, o grupo planeja passeata para o período da tarde. O ato foi convocado pela web. Parte dos manifestantes se concentrou em frente ao Banco Central e também pediu o não pagamento da dívida pública e a realização de reforma agrárua.

Por causa da manifestação, todos os retornos da Esplanada dos Ministérios foram fechados – a única exceção é a passagem em frente à Alameda dos Estados, rua que reúne bandeiras das unidades da federação em frente ao Congresso Nacional.

A Polícia Militar informou que diversos ônibus com manifestantes pró-PT chegaram ao Estádio Nacional Mané Garrincha desde a madrugada. Até as 8h20, havia 18 no local. O grupo carregava colchões e panelasPesquisa e processo
Pesquisa Ibope divulgada nesta quarta-feira (30) mostra que 69% dos entrevistados desaprovam o governo Dilma. Nesta terça, o PMDB oficializou o rompimento com a gestão. A orientação é de que os seis ministros da legenda deixem o cargo. Presidente do partido e vice-presidente da República, Michel Temer permanece na função sob a alegação de que foi eleito.

O Planalto tenta montar uma estratégia a fim de fazer com que, diante do rompimento do PMDB com o governo, a presidente Dilma passe a contar com o apoio de outros partidos e parlamentares no Congresso Nacional. Na prática, o Executivo está disposto a negociar cargos que serão deixados por integrantes do partido para garantir o apoio necessário para barrar o processo de impeachment.

A instalação da comissão especial que analisa o processo de impeachment aconteceu no dia 17 de março. Desde então a presidente Dilma tem dez sessões do plenário da Câmara para apresentar sua defesa. O colegiado terá cinco sessões depois disso para votar parecer pela continuidade ou não do processo de impeachment.

Após ser votado na comissão, o parecer sobre o pedido de impeachment segue para o plenário da Câmara, que decide se instaura ou não o processo. Para a instauração é preciso o voto de 342 deputados.

O Senado pode invalidar essa decisão da Câmara. Se avalizar, a presidente da República é afastada por 180 dias, enquanto durar a análise do mérito das acusações contidas no pedido de impeachment.

 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.