No AP, polcias cumprem mandados de priso contra servidores da CTMac

Publicado em: 05 de Abril de 2016
Foto Por: Reproduo/Rede Amaznica no Amap)
Fonte: G1
Servidores da CTMac so alvo de operao

Servidores da Companhia de Trânsito e Transporte de Macapá (CTMac) são alvo de uma operação deflagrada na manhã desta terça-feira (5), pelo Ministério Público (MP) do Amapá com o apoio das polícias Civil e Militar. A ação foi denominada "Guincho".

Ao todo, segundo o tenente-coronel da Polícia Militar Paulo Matias, são cumpridos 13 mandados de prisão e 14 de busca e apreensão. Além de servidores da autarquia municipal, pessoas ligadas a empresas de guincho de veículos estariam entre os presos, acrescentou o oficial.

"Coube a Polícia Militar cumprir parte desses mandados, bem como a Civil. Conseguimos cumprir 11 mandados de prisão e resta apenas um de busca, que está em fase de conclusão. Em princípio, foi nos repassado que [o motivo da operação] tem relação de liberação de processos e veículos irregulares", comentou o oficial da PM.

Todos os presos e material recolhido está sendo levado para a Promotoria de Investigação Criminal (PIC), que comanda as investigações. O Ministério Público informou que vai se posicionar sobre o caso ainda na manhã desta terça-feira através de nota ou entrevista coletiva.

Em entrevista a um programa de rádio, a diretora-presidente da CTMac, Cristina Baddini, comentou que o caso também faz parte de investigação interna da autarquia e que o Ministério Público foi provocado pelo próprio órgão.

"O próprio governo municipal e CTMac detectaram alguns casos de liberação e há algum tempo vínhamos ao MP pedir a investigação. Evidentemente foi uma apuração detalhada, que agora tem o resultado. Essa questão de multas e infrações é muito séria porque envolve o Funset [Fundo Nacional de Segurança e Educação no Trânsito], que é federal, além disso, existia uma reclamação grande de munícipes até de suborno", revelou a diretora-presidente, sem detalhar o caso.

 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.