Crianças com menos 1 ano devem receber vacina contra o sarampo para viajar, diz ministério

907 casos de sarampo foram confirmados no Brasil, de acordo com o Ministério da Saúde. Casos estão concentrados em três estados: São Paulo (901), Rio de Janeiro (5) e Bahia (1).

Publicado em: 14 de Agosto de 2019
Foto Por: Agência Santarém/Divulgação
Autor: G1
Fonte: G1
Crianças nesta faixa etária devem ser vacinadas contra a doença, no período mínimo de 15 dias, antes da data prevista para a viagem.

Crianças com mais de seis meses e menos de um ano de idade devem ser vacinadas contra o sarampo caso visitem municípios com surto da doença no país (lista abaixo). O Ministério da Saúde recomendou nesta terça-feira (6) que as imunizações sejam realizadas ao menos 15 dias antes da viagem.

"Além de proteger, a medida de segurança pretende interromper a cadeia de transmissão do vírus do sarampo no país", informou a Pasta em um comunicado. Atualmente, 39 cidades de São Paulo, Pará e Rio de Janeiro estão em surto ativo, ou seja, registram um crescimento no número de casos confirmados da doença.

O Ministério esclarece que esta, chamada “dose zero”, não substitui a vacina tríplice viral (D1), dada aos 12 meses de idade. O calendário nacional de vacinação inclui também aos 15 meses a vacina tetra viral, que contém uma segunda dose contra do sarampo.

"É importante ressaltar ainda que toda pessoa, de um ano a 49 anos de idade, deve ter duas doses da vacina contra o sarampo para ficar protegido contra a doença", diz a nota.

Surto de sarampo

Entre 5 de maio e 3 de agosto, 907 casos de sarampo foram confirmados no Brasil, de acordo com o Ministério da Saúde. Os casos estão concentrados em três estados: São Paulo (901), Rio de Janeiro (5) e Bahia (1).

A epidemia de sarampo é um fenômeno global. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) mostram que, em 2017, a doença foi responsável por 110 mil mortes.

Este ano, ainda segundo as entidades, casos notificados no mundo cresceram 300% nos primeiros três meses em comparação com o mesmo período de 2018.

O Brasil, diz o Ministério da Saúde, vinha de um histórico de não registrar casos autóctones (adquiridos dentro do país) desde o ano 2000 - entre 2013 e 2015, ocorreram dois surtos, um no Ceará e outro em Pernambuco, a partir de casos importados.

Municípios brasileiros com surto ativo de sarampo até 26/07/2019

São Paulo, SP

Santos, SP

Fernandópolis, SP

Santo André, SP

Guarulhos, SP

São Bernardo do Campo, SP

São Caetano do Sul, SP

Mauá, SP

Ribeirão Pires, SP

Mairiporã, SP

Pindamonhangaba, SP

Sorocaba, SP

Diadema, SP

Indaiatuba, SP

Osasco, SP

Barueri, SP

Caçapava, SP

Caieiras, SP

Embu, SP

Estrela D’Oeste, SP

Francisco Morato, SP

Hortolândia, SP

Itapetininga, SP

Itaquaquecetuba, SP

Jales, SP

Mogi das Cruzes, SP

Peruíbe, SP

Praia Grande, SP

Ribeirão Preto, SP

São José dos Campos, SP

Taboão da Serra, SP

Taubaté, SP

Rio de Janeiro, RJ

Paraty, RJ

Nilópolis, RJ

Monte Alegre, PA

Santarém, PA

Porto do Moz, PA

Prainha, PA

Quais são os sintomas do sarampo?

Os primeiros sintomas do sarampo são febre alta que dura por volta de uma semana e manchas avermelhadas na pele. Os sintomas aparecem entre 10 e 12 dias após o contato com o vírus e podem vir acompanhados de tosse persistente, irritação ocular, coriza e congestão nasal.

Há tratamento contra o sarampo?

Não existe tratamento específico para o sarampo. Para os casos sem complicação, é importante manter uma boa hidratação, suporte nutricional e diminuir a hipertermia. Quando o quadro se agrava e surgem, por exemplo, diarreia, pneumonia e otite média, essas situações devem ser tratadas, normalmente, com o uso de antibioticoterapia.

No caso de crianças acometidas pela enfermidade, a OMS recomenda a administração de vitamina A, a fim de reduzir a ocorrência de casos graves e fatais.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.