Balanço preliminar da PRF aponta redução no número de acidentes e aumento de mortes em rodovias

Balanço compara os primeiros 15 dias de julho de 2018 e 2019. Houve aumento no número de flagrantes de ultrapassagem irregular; operação continua até o fim de julho.

Publicado em: 17 de Julho de 2019
Foto Por: Divulgação
Autor: G1 Tocantins.
Fonte: G1 Tocantins.
Carro ficou destruído após bater de frente com caminhão

Foi divulgado na manhã desta terça-feira (16) o balanço preliminar da Operação Balneário 2019, realizada pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) nas rodovias federais que cortam o Tocantins. Os dados apontam uma redução no número de acidentes, embora a quantidade de mortes tenha aumentado. Também houve aumento nos flagrantes de infrações por ultrapassagem irregular.

O balanço preliminar faz um comparativo entre a primeira quinzena de julho de 2018 e o mesmo período de 2019. De acordo com a Polícia Rodoviária, houve uma redução de 30% do número de acidentes: caiu de 30 para 21. O número de ferido caiu de 28 no ano passado para 18 neste ano. Redução de 65%.

Apesar disso, houve um aumento no número de mortes: três em 2018 e quatro em 2019. Um dos acidentes com morte foi no perímetro urbano da BR-153 em Wanderlândia norte do Tocantins.

Durante a operação Balneário a PRF aumentou o efetivo e está fazendo ações coordenadas para tentar reduzir o número de acidentes e vítimas. Quase quatro mil veículos foram fiscalizados e mais de 720 autos de infração aplicados.

Entre as principais infrações está a ultrapassagem irregular com 121 flagrantes, um crescimento de 116% em relação ao mesmo período de 2018.

Foram feitas 64 autuações por excesso de peso em veículos de carga. Também foram aplicadas 21 autuações porque o cinto de segurança não estava sendo utilizado e 13 pessoas foram flagradas dirigindo sob efeito de bebida alcoólica.

A operação continua até o fim do mês de julho.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.