Governo do estado volta a terceirizar alimentação de hospitais do Tocantins

Contrato foi feito ainda em março de 2018, mas foi publicado apenas nesta semana. Empresa vai receber R$ 8,3 milhões para fornecer alimentação em oito unidades por seis meses.

Publicado em: 11 de Julho de 2018
Foto Por: Portal O Norte/Divulgação
Autor: G1 Tocantins.
Fonte: G1 Tocantins.
Hospital Regional de Araguaína é uma das unidades atendidas pela empresa

A alimentação de hospitais públicos do Tocantins voltou a ser terceirizada pelo governo do Tocantins. O contrato de R$ 8,3 milhões é válido por seis meses e foi feito com dispensa de licitação. Além disso, a contratação ocorreu ainda em março de 2018, mas foi publicada apenas no Diário Oficial desta segunda-feira (9).

 

Conforme a Secretaria de Estado da Saúde (SES) o contrato atende uma determinação da Justiça.

"A empresa foi contratada em caráter emergencial por seis meses para atender as seguintes unidades hospitalares da rede estadual de saúde: Hospital Regional de Araguaína, Casa de Apoio Glória Moraes, Hospital de Arapoema, Hospital de Augustinópolis, Hospital de Xambioá, CAPS II – Araguaína, CAPS Infantil – Araguaína e Hospital Infantil de Palmas."

A alimentação nos hospitais da rede pública estava sendo feita pelo próprio Estado desde o final de 2016, quando a empresa Litucera deixou o serviço. Na época, a empresa também era responsável pela limpeza das unidades e cobrava uma dívida de R$ 75 milhões do governo.

O novo contrato de terceirização foi assinado pelo antigo secretário de saúde Marcos Musafir, exonerado após a cassação do governador Marcelo Miranda. Porém, só agora foi publicado no Diário Oficial do Estado.

O valor mensal do contrato é de R$ 699.927,93 e o valor total é de R$ 8.399.135,16.

G1 questionou a Secretaria de Saúde sobre a demora para a publicação do contrato, mas ainda não recebeu reposta.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.