Morre aos 78 anos Dona Raimunda Quebradeira de Coco, símbolo tocantinense

A trabalhadora rural se tornou símbolo de ativismo e ajudou a fundar o Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu (MIQCB).

Publicado em: 08 de Novembro de 2018
Foto Por: Divulgação
Autor: Af Notícias
Fonte: Af Notícias
Dona Raimunda ganhou vários prêmios pela atuação na defesa dos direitos das mulheres

A líder comunitária Raimunda Gomes da Silva, conhecida popularmente como Dona Raimunda Quebradeira de Coco, 78 anos, morreu na noite dessa quarta-feira (7), no assentamento Sete Barracas no município de São Miguel do Tocantins, região do Bico do Papagaio.

 

Dona Raimunda era diabética, estava cega e sofria com problemas respiratórios. Ela passou mal durante a tarde na comunidade onde morava, recebeu atendimento médico, mas não resistiu e faleceu no início da noite.

 

A trabalhadora rural se tornou símbolo de ativismo e ajudou a fundar o Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu (MIQCB), criado em 1991 e atuante nos estados do Pará, Tocantins, Piauí e Maranhão.

Pela sua atuação na defesa dos direitos das mulheres trabalhadoras da região do Bico do Papagaio, ela recebeu o título de Doutora Honoris Causa da Universidade Federal do Tocantinse prêmios como o Diploma Mulher-Cidadã Guilhermina Ribeira da Silva (Assembleia Legislativa do Tocantins) e o Diploma Bertha Lutz (Senado Federal).

 

PERFIL

 

Nasceu em Novo Jardim (MA), filha de agricultores pobres, em uma família de 10 irmãos. Casou-se aos 18 anos, mas, em meio a uma relação difícil, decidiu abandonar o marido 14 anos depois e criar sozinha os seis filhos, trabalhando como lavradora. Na sua constante migração à procura de serviço, chegou ao Bico do Papagaio, região desassistida onde moravam 52 famílias.

 

Para levar trabalho comunitário à região e proteger os moradores das ameaças de grileiros, começou a mobilizar a criação de sindicatos rurais.

 

Em sua trajetória, foi responsável pela Secretaria da Mulher Trabalhadora Rural Extrativista do Conselho Nacional dos Seringueiros (CNS) e uma das fundadoras da Associação das Mulheres Trabalhadoras Rurais do Bico do Papagaio (Asmubip).

 

Dona Raimunda estava casada com o também aposentado Antônio Cipriano e adotou seu sétimo filho, Moisés, órfão de um líder sindical assassinado na década de 1990.

 

NAS TELAS

 

A ativista teve sua trajetória contada no documentário ‘Raimunda, a Quebradeira', lançado em 2007 com direção de Marcelo Silva e coprodução da Public Produções, TV Palmas, Fundação Padre Anchieta (TV Cultura).

O filme, vencedor do Festival de Brasília de 2009 com os prêmios de direção, fotografia e som, foi exibido nas principais telas do Brasil e ganhou o mundo eternizando a história desse símbolo de resistência da mulher tocantinense.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.