Polícia diz que vice encomendou atentado a Dotozim por R$ 10 mil numa briga por distribuição de propina

Publicado em: 11 de Janeiro de 2019
Foto Por: Divulgação
Autor: Redação
Fonte: Cleber Toledo
Prefeito Dotozim e o vice Letim, em evento partidário

Chocante e surpreendente o desfecho do atentado contra o prefeito de Novo Acordo, Elson Lino de Aguiar Filho, o Dotozim (MDB), 59 anos. Conforme a Polícia Civil, o vice-prefeito da cidade, Letim Leitão (PRB) contratou um pistoleiro por R$ 10 mil para matar Dotozim.

 

O delegado Leandro Risi, que coordenou a investigação, afirmou à TV Anhanguera que o crime teria sido motivado por conflitos na distribuição de propinas.

 

Segundo Risi, os recursos viriam de fraudes em licitações na Prefeitura de Novo Acordo. De acordo com o delegado, Dotozim teria se recusado a repassar para Letim parte dos R$ 800 mil supostamente recebidos de propina.

 

Outra surpresa é que este não teria sido o primeiro atentado contra o prefeito. No ano passado, o vice teria pago R$ 4 mil, mas os pistoleiros nem chegaram a ir à cidade matar Dotozim.

 

Além disso, segundo a Polícia, quando viu que o prefeito não tinha morrido no atentado de quarta-feira, 9, Letim teria dobrado o valor e ofereceu R$ 20 mil para que os pistoleiros terminassem o serviço quando Dotozim deixasse o hospital.

 

Ao deixar a delegacia, onde depôs, Letim negou as acusações, garantiu que não participou do crime, nem de esquema de propina na prefeitura.

 

A Polícia prendeu três suspeitos de participar do atentado. Além do vice-prefeito, o empresário Paulo Henrique Sousa; e Gustavo Araújo da Silva, que seria o autor dos disparos. Após os depoimentos, os três serão levados para a Casa de Prisão Provisória de Palmas.

 

O outro lado

 

Em nota, o secretário municipal de Administração de Novo Acordo, Sildomar Alves Pereira, afirmou que “o prefeito jamais permitiu qualquer tipo de ato ilícito durante o seu mandato, inclusive, nunca permitiu que se efetivasse qualquer pagamento a fornecedor sem processo licitatório devidamente formalizado nos moldes da legislação brasileira”.

 

Ele ainda disse que “repudia as palavras do vice- prefeito de que teria dinheiro a receber da prefeitura por supostas fraudes a licitação”.

 

“Por nenhum momento na atual gestão foi e será admitido qualquer ato ilegal para desviar recursos públicos, pois o prefeito é homem sério, honesto e que jamais teve qualquer compromisso de natureza ilícita com o vice-prefeito”, afirma a nota.

 

O prefeito deve passar por uma cirurgia de reconstrução facial nesta sexta-feira, 11.

 

Confira a íntegra a seguir:

 

Nota de esclarecimento

 

Após a veiculação de matéria televisiva de que o vice-prefeito Letim Leilão é o mandante da tentativa de homicídio perpetrada contra o prefeito Elson Lino de Aguiar, e que a motivação seria a ausência de repasse de valores a título de recursos a serem captados por fraudes a licitação, cabe esclarecer que o atual prefeito jamais permitiu qualquer tipo de ato ilícito durante o seu mandato, inclusive, nunca permitiu que se efetivasse qualquer pagamento a fornecedor sem processo licitatório devidamente formalizado nos moldes da legislação brasileira, e que repudia as palavras do vice- prefeito de que teria dinheiro a receber da prefeitura por supostas fraudes a licitação.

 

Vale esclarecer que por nenhum momento na atual gestão foi e será admitido qualquer ato ilegal para desviar recursos públicos, pois o prefeito é homem sério, honesto e que jamais teve qualquer compromisso de natureza ilícita com o vice-prefeito.

 

A história de vida do prefeito Elson Lino de Aguiar sempre foi pautada em muito trabalho e honradez, jamais durante seus 59 anos de idade teve nada que desabone sua conduta, pois ocupou os cargos de vice-prefeito, vereador e secretário municipal de saúde de Novo Acordo e sempre viveu do labor honesto desempenhado com seu suor.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.