Após decisão do STF sobre 100% de lotação de ônibus, Amastha diz que Cinthia faz “morte seletiva”: “A prefeita escolhe quem vive e

Publicado em: 30 de Maio de 2020
Foto Por: Secom Palmas
Autor: Cleber Toledo 
Fonte: Cleber Toledo 
Ex-prefeito de Palmas Carlos Amastha

Presidente regional do PSB, o autor da ação que fez a Justiça de Palmas reduzir para 50% a lotação dos ônibus do transporte coletivo, o ex-prefeito Carlos Amastha afirmou em vídeo nas redes sociais que sua sucessora Cinthia Ribeiro (PSDB), ao buscar e conseguir os 100% de ocupação no Supremo Tribunal Federal (STF), faz “morte seletiva”. “A prefeita escolhe quem vive e quem morre. Mata sem pressa, mata as pessoas de baixa renda que precisam usar do transporte coletivo público”, disse Amastha.

 

Apoio de João Dória

 

Ele afirmou que Cinthia conseguiu a decisão do ministro Luiz Fux, do STF, “com a ajuda do [João] Dória”, numa referência ao governador de São Paulo, do PSDB.

 

Série de inverdades

 

Além disso, o ex-prefeito alegou que Cinthia usou “uma série de inverdades” para convencer o ministro a derrubar a decisão dos 50% de lotação. “Falando que estavam tomando todos os cuidados para prevenção, o que não é verdade, e que não havia recursos para subsidiar o transporte público, o que também não é verdade”, garantiu Amastha.

 

Dinheiro de multas

 

Para ele, se a prefeita pegasse “apenas o dinheiro que tem de multas já seria o suficiente” para subsidiar o transporte coletivo da Capital. “E garanto que todos bateríamos palmas”, avisou.

 

Não tem planejamento

 

Amastha disse que a gestão de Cinthia, no combate à Covid-19, “não tem verdade, não tem planejamento, não tem equipe que dê embasamento às decisões que a prefeitura está tomando”. “Precisamos levantar a voz contra essa série de arbitrariedades”, defendeu.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.