Equipes fazem aceiros no Parque Estadual do Cantão para evitar incêndios durante seca

Ação começou em abril e contemplou diversas unidades de conservação. Brigadistas e outros profissionais fazem trabalho como forma de prevenção a grandes queimadas.

Publicado em: 08 de Julho de 2020
Foto Por: Divulgação/Naturatins
Autor: G1 Tocantins
Fonte: G1 Tocantins
Equipes fazem aceiros para evitar incêndios

Brigadistas, guarda-parques e pilotos de embarcações estão trabalhando na abertura de aceiros no Parque Estadual do Cantão, principalmente nas áreas de maior concentração de vegetação com potencial para gerar incêndios. A ação está sendo finalizada e faz parte da prevenção contra queimadas realizada pelo Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins) em Unidades de Conservação.

 

Em praticamente todos os anos, o Tocantins fica entre os estados com maior número de incêndios, principalmente nos meses de agosto e setembro, período de seca severa, baixa umidade, forte calor e ventos fortes.

 

O gerente do Parque do Cantão, Adailton Glória, explicou que antes da queima controlada, é feito um mapeamento das áreas que receberão os aceiros, com base nas informações coletadas dos relatórios dos anos anteriores e também nas imagens de satélite do Centro Integrado de Inteligência e Monitoramento de Dados Espaciais Ambientais (Cimdea), do Naturatins.

 

“Essas áreas são escolhidas por serem as que possuem vegetação rasteira e densa e que se tornam altamente combustível no final da estação seca, quando o clima fica mais quente e seco no Tocantins”, explicou.

 

O gerente explica ainda que o trabalho não pode ser realizado no fim da estação seca porque o fogo seria praticamente impossível de ser controlado, podendo alastrar pela mata.

 

Desde o mês de abril, equipes executam as queimadas prescritas e aceiros negros. “Em todas as unidades de conservação do Estado foram realizadas ações semelhantes, com a redução de vegetação combustível e isso, além de reduzir os riscos de incêndios, também ajuda a preservar a vegetação nativa das unidades”, destacou o diretor de Biodiversidade e Áreas Protegidas do Naturatins, Warley Carlos Rodrigues.

 

De acordo com o Naturatins, a partir da segunda quinzena de julho, serão realizados fiscalização e monitoramento das áreas mais atingidas pelo fogo.

 

Os aceiros negros são ações do Comitê do Fogo e estão sendo aplicados na TO-020 como projeto piloto, e também nas demais rodovias. Toda a ação tem o acompanhamento dos brigadistas para aplicação.

 

Sebastião Albuquerque resume que o cronograma de queima foi elaborado pelo Instituto para garantir a proteção de todas as unidades de conservação do Estado. “Essas ações constroem uma barreira de proteção, que previne a degradação do meio ambiente, especialmente nas áreas de reserva, cabeceiras de nascentes e córregos”, reforça.

 

Aceiro negro é o nome dado à prática de abrir uma faixa de terra para queimar em volta, evitando que um foco de incêndio iniciado do lado de fora atinja o interior da área que se quer proteger. Ou seja, o fogo é usado de maneira programada, em faixas que fazem limite com as áreas ambientais para criar uma barreira que evita a propagação das chamas nos meses mais secos.

 

Já a queima prescrita (ou queimada controlada) é quando o fogo é usado intencionalmente e sob supervisão para fragmentar a vegetação, dificultando a propagação dos incêndios que causam grandes danos ambientais e prejuízos econômicos.

 

A Área de Proteção Ambiental Lago de Palmas, a área do Terminal Multimodal de Porto Nacional, no distrito de Luzimangues, a Área de Proteção Serra do Lajeado, o Monumento Natural das Árvores Fossilizadas e o Parque Estadual do Jalapão também fizeram parte do cronograma de ações preventivas contra incêndios executado pelo Naturatins.

 

No Jalapão, foram realizadas rondas para mapeamento de áreas a serem queimadas e queimas na região das Dunas. Também houve queima controlada na Serra do Espírito Santo e nas estruturas do atrativo Cachoeira da Velha.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.