Sábado,
04 de Dezembro de 2021

Preço alto da matéria-prima e da energia elétrica prejudica indústria do Tocantins, mas empresário do setor segue confiante

Autor: Leal Junior

Fonte:

Publicado em 09 de Novembro de 2021 (Atualizado Há 4 semanas atrás)

Legenda: Sem Legenda

Autor da Foto: ABr

Números apurados pela Sondagem Industrial da Federação das Indústrias do Tocantins (Fieto) referentes ao terceiro trimestre de 2021 revelam que a falta e o alto custo da matéria-prima (60,61%) e da energia elétrica (31,82%) foram os principais problemas enfrentados pelos empresários tocantinenses no período, o que resultou na queda na produção no período.  

Preços da produção pressionados

O preço elevado da matéria-prima e da energia elétrica pressionaram os preços da produção, o que pode ter contribuindo para a redução da margem de lucro no 3º trimestre e o desaquecimento no setor
industrial, que registrou queda em comparação em comparação a agosto.

Estabilidade do número de empregados

O levantamento destaca que de julho a setembro o nível dos estoques permaneceu abaixo do planejado pelas indústrias e que o índice de empregados no setor ficou em 50 pontos, na linha divisória que separa queda e aumento, confirmando estabilidade do número de empregados.

Expectativa positiva

A Sondagem Industrial da Fieto mostra também que os empresários tocantinenses estão com boas expectativas para os próximos seis meses quanto à demanda, doméstica e externa, número de empregados e compra de matéria-prima. Com isso, o segmento se mostrou propenso a investir. “Ainda estamos sentindo os efeitos da pandemia, que reduziu a oferta de matéria-prima e aumentou o custo com energia elétrica em todo o país. Mas há uma expectativa positiva do mercado para os próximos meses, o que tem segurado o nível de investimento”, analisa o presidente da federação, Roberto Pires. 

ICEI 

Já o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) alcançou 61,8 pontos em outubro, registrando um aumento de 1,9 ponto em relação ao mês de setembro. Em comparação com o mesmo período do ano anterior, o índice permaneceu praticamente estável com variação de 0,1 ponto. O resultado positivo do ICEI ocorreu em função do aumento tanto no indicador de “condições atuais”, que passou de 52,8 para 53,6 pontos, quanto o de “expectativas” apresentou um incremento de 2,4 pontos ao atingir 65,9 pontos em outubro. 

  • Leia a íntegra do levantamento sobre o ICEI.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Seu comentário aguardará aprovação antes de ser publicado no site

Sem Comentários