“A Taça é Nossa”: Roberto Oliveira e o fim do jejum de títulos do Gurupi em 2010

O Camaleão do Sul saiu da fila e foi bicampeão em 2010 e 2011 enfrentando o Araguaína e o Interporto nas decisões

Publicado em: 20 de Junho de 2020
Foto Por: Reprodução/TV Anhanguera
Autor: GloboEsporte.com, Palmas, TO
Fonte: GloboEsporte.com, Palmas, TO
Roberto Oliveira comandou o Gurupi em 2010 e 2011

A série “A Taça é Nossa” relembra nesta sexta-feira (19), a quebra do jejum de 13 anos do Gurupi no Tocantinense. O personagem da vez é o técnico Roberto Oliveira, que comandou o Camaleão em dois títulos seguidos 2010 e 2011.

 

Conhecido pela trajetória no futebol tocantinense com seis taças no currículo, o treinador foi contratado para tirar o time da fila de títulos, que não era conquistado desde 1997. Roberto Oliveira relembra as dificuldades que encarou ao iniciar os trabalhos em 2010 no Camaleão do Sul.

 

-Depois de três temporadas com três finais, dois títulos e um vice-campeonato muito contestado, eu acabei fechando com o Gurupi para a temporada 2010. O Gurupi estava aí na fila há 13 anos, e com isso, a gente sabia que as dificuldades iriam ser grandes. E tudo começou muito difícil. Na temporada anterior houve um investimento muito alto dentro do Gurupi e não conseguiram sucesso. Então com isso, as primeiras conversas que nós tivemos lá, todo o planejamento para a temporada, estava meio complicado.

 

Roberto Oliveira percebeu uma desorganização dentro do clube. Os atritos enfrentados para aplicar seu método de trabalho eram recorrentes.

 

-Muito palpiteiro, umas cornetas danadas lá, com isso eu vi que as dificuldades seriam grandes. Sempre aqueles questionamentos “Para que isso? Para que aquilo? ”. Mas o Wilson Castilho acreditou no trabalho, afinal de contas, a gente tinha provado à chegada em três finais, ganhando duas, então o caminho estava aberto.

 

Mesmo assim, Roberto continuou insistindo em mudar o time, e recebeu a oportunidade de montar um elenco que saciasse as expectativas em campo.

 

-Pela primeira vez eu tive a condição de montar a equipe, alguns jogadores da cidade que tinham que estar no elenco tipo Eder, Emerson e outros. Mas eu tive a oportunidade de montar, sim uma equipe altamente competente. Buscamos o Anderson do futebol Cearense, goleiro. O Igor, zagueiro do Vila Nova que havia disputado vários campeonatos brasileiros e havia sido campeão pelo Vila Nova. Anderson Cristo, Marquinhos, Paulo Roberto, Uranio que já estava ali no Gurupi. E tivemos a felicidade de acertar com o China, que hoje se eu não me engano mora em Araguaína, é um ótimo jogador. Por indicação de um amigo, eu consegui buscar a dupla de atacantes Demir e Everton, lá do futebol de Roraima e Acre, se não me engano. Inclusive o Demir foi o artilheiro do campeonato.

 

Com o elenco formado e as dificuldades superadas, o Gurupi seguiu para a final do Tocantinense enfrentando o Araguaína. O técnico revela que a equipe demonstrava confiança, e que acreditava na vitória mesmo após perder no jogo de ida por 1 a 0.

 

- O Araguaína estava tentando o bicampeonato, tinha mantido a base do ano anterior. Inclusive, no primeiro jogo que nós tivemos em Araguaína nós perdemos por 1 a 0. Me lembro bem de um dos colegas da imprensa quando foi me entrevistar, mostrei muita confiança e que nós iriamos reverter. Porque a equipe não havia feito um bom jogo em Araguaína, poderíamos ter perdido o jogo por um número maior de gols que aí ficaria muito difícil reverter em Gurupi, e como ficou um 1 a 0 eu disse que eu acredito, acredito na minha equipe, e foi o que realmente aconteceu.

 

- O Resendão estava lotado, não cabia mais ninguém. Nós fizemos 3 a 1 com uma exibição de gala da equipe, e depois de 13 anos o Gurupi conseguiu o campeonato. Então foi muito boa essa passagem lá, como eu falei, logicamente que você tem percalços durante a caminhada, mas nada que tenha assustado. A confiança no trabalho era muito grande, o grupo realmente, como eu tinha montado, a maioria dos jogadores entenderam a nossa filosofia de trabalho e acataram essa filosofia conseguindo sucesso. Até falei que eram guerreiros, e com isso o Gurupi depois de 13 anos quebrou o jejum e voltou a comemorar o título.

 

No ano seguinte, após trabalhar no Barra do Garça-MT, Roberto retornou ao Gurupi aceitando o convite para comandar novamente o Camaleão na temporada de 2011 depois da saída do técnico Luiz Carlos.

 

- Eu recebi o convite, o Luiz Carlos acabou saindo e o presidente Wilson me ligou após isso me convidando para ir até lá. Porque o Tocantinense sempre começou após os outros campeonatos, então assim que terminou o Mato-Grossense, eu aceitei o convite - explicou.

 

Com a equipe montada pelo ex-técnico Luiz Carlos, Roberto Oliveira assumiu no meio do campeonato, e buscou algumas peças do Barra do Garças.

 

-Eu já conhecia a cidade, conhecia o clube, e fomos para Gurupi. A equipe já estava montada, tinha bons jogadores que o Luiz Carlos já tinha trazido. Eu aproveitei para encaixar os jogadores que eu trouxe comigo lá do Barra do Garça. Se não me engano o Gurupi havia empatado com o Palmas em casa e o segundo jogo seria no Nilton Santos, neste jogo então nós conseguimos a vitória contra o Palmas, conseguimos a classificação para outra fase e seguiu.

 

O time conseguiu chegar até a final e encarou o Interporto em dois jogos com muita rivalidade entre as equipes.

 

- Conseguimos uma excelente vitória lá em Porto Nacional, muito difícil, por 2 a 1 e viemos para casa decidir. Foi um jogo também bem complicado, a equipe do Interporto é muito bem dirigida pelo Carlos Magno. Acabamos perdendo o jogo em casa, mas como tínhamos feito mais gols fora de casa a equipe foi campeã. Perdemos de 1 a 0, tive o jogador Eder expulso, jogamos com 10 jogadores e o grande nome da partida foi o Lúcio, ele jogou muito naquele dia e o responsável por levar o Gurupi ao seu bicampeonato.

 

-E com isso fiquei muito feliz, comemoramos muito, e o Roberto Oliveira com sua comissão técnica e seus jogadores se tornaram bicampeões no Gurupi. São passagens maravilhosas que nós tivemos nestes clubes - conclui Roberto. O Gurupi soma seis conquistas do Tocantinense.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.