Análise: empate reflete o momento de um Palmeiras muito capaz e muito cansado

Time dá resposta rápida após jogo ruim na Libertadores, mas deixa dois pontos escaparem

Publicado em: 16 de Janeiro de 2021
Foto Por: Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Autor: Tossiro Neto — São Paulo
Fonte: GE — São Paulo
Abel Ferreira conversa com Mayke, que voltava após se recuperar de Covid-19 e entrou no fim

O gol de empate sofrido aos 42 minutos do segundo tempo, depois de dominar grande parte do jogo contra o Grêmio, na noite da última sexta-feira, e perder um sem-fim de chances, diz muito sobre o momento em que o Palmeiras se encontra na temporada.

 

placar de 1 a 1 do Allianz Parque por si só esconde o bom desempenho do time escalado por Abel Ferreira – com o que tinha de melhor à disposição –, principalmente no primeiro tempo. Vale, portanto, em primeiro lugar, destacar a resposta rápida do elenco.

 

Três dias depois de ter sido massacrado pelo River Plate, que quase devolveu placar suficiente para lhe tirar a vaga na final da Libertadores, o Palmeiras massacrou o Grêmio. Nos 45 minutos iniciais.

Mais notícias do Palmeiras:
+ Auxiliar vê empate injusto e explica titulares
+ Marcos Rocha será desfalque em Dérbi
+ Atuações: as notas do Verdão contra o Grêmio


Com menos de um minuto, numa bobeada da defesa, Breno Lopes e Rony tiveram contra-ataque de "dois contra um", mas o atacante vindo do Juventude desperdiçou a chance. Depois, ele, Rony e Willian colocaram uma bola na trave cada um.

 

Mesmo o gol de Raphael Veiga, marcado aos 32 minutos da primeira etapa, foi chorado, após uma finalização furada por Rony na entrada da pequena área.

 

O Palmeiras desceu para o vestiário com um só gol, mas bom desempenho e bons números: 58% de posse de bola e 11 finalizações. Em resumo, com a prova de que esse time é capaz de jogar muito melhor do que jogou contra o River Plate.

+ Leia mais sobre o Palmeiras

 

Segundo tempo diferente

 

A volta do intervalo, porém, mostraria o outro lado desse Palmeiras. Um Palmeiras cada vez mais no limite físico, com desfalques e muitos compromissos em sequência pelas três competições ainda em disputa.

Aos poucos, apesar de ainda criar – e de Willian ter obrigado o goleiro Vanderlei a fazer duas difíceis defesas –, a equipe foi cedendo ao cansaço e, consequentemente, cedendo terreno ao Grêmio, que terminaria com 54% de posse de bola e 12 finalizações (sete na etapa final). O técnico Abel Ferreira tentou renovar o fôlego com as cinco substituições permitidas, mas pouco adiantou.

 

Uma delas, aliás, foi simbólica: Marcos Rocha, aparentemente por cansaço, deu lugar a Mayke, um dos muitos nomes do elenco que contraíram Covid-19 e havia acabado de se recuperar. Foi em cima dele, de um jogador recém-recuperado e sem ritmo, que o veterano Diego Souza fez o gol de cabeça, o gol de empate, aos 42 minutos.

 

Um empate que refletiu bem o momento do Palmeiras: um time tecnicamente muito capaz, mas também muito cansado.

 

Sem tempo para treinar, mas também sem tempo para se lamentar, esse time agora passa a se preocupar com o Corinthians, rival de segunda-feira, às 19h (de Brasília), em jogo adiado do Brasileirão, novamente no Allianz Parque.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.