Sábado,
18 de Setembro de 2021

Análise: Fluminense arranca vitória na raça e ganha moral para árdua missão na Copa do Brasil

Sem brilhar tecnicamente, Flu usa bola parada e contra-ataque para superar o São Paulo no último teste antes da decisão contra o Atlético-MG no Mineirão. Mas time não pode recuar tanto

Autor: Thiago Lima — Rio de Janeiro

Fonte: GE — Rio de Janeiro

Publicado em 13 de Setembro de 2021 (Atualizado Há 6 dias atrás)

Legenda: Fred e Nino foram decisivos para vitória difícil em cima do São Paulo

Autor da Foto: Thiago Ribeiro / AGIF

Dizem no futebol que quando não vai na técnica, precisa ir na raça. E foi exatamente assim que o Fluminense arrancou a vitória por 2 a 1 sobre o São Paulo no último domingo, no Maracanã. Garra essa que sobrou tanto em Luccas Claro, que se atirou na bola em dividida com os zagueiros no lance do gol de Nino; quanto em Luiz Henrique, que ganhou na velocidade do experiente Miranda e não quis a falta para chutar e conseguir estufar as redes.

Mesmo sem fazer uma partida brilhante, o resultado no último desafio antes do retorno da Copa do Brasil faz o time ganhar moral para a árdua missão de vencer o poderoso Atlético-MG na próxima quarta-feira, às 19h (de Brasília) no Mineirão, em jogo que vale vaga na semifinal do torneio mata-mata. Após perder por 2 a 1 no Rio de Janeiro, o Tricolor precisa ganhar por dois gols de diferença para se classificar direto ou por um de vantagem para levar a disputa para os pênaltis.

Mas voltando ao São Paulo. Como era esperado, o adversário subiu o sarrafo que o Fluminense teve nos últimos jogos. Contra um oponente mais qualificado, apesar da situação difícil na tabela, virou um duelo de xadrez, de pouca criação e inspiração. Parecia uma disputa para saber quem marcava melhor, o que deixou especialmente o primeiro tempo sonolento. Ao longo dos 90 minutos, o Fluminense teve oito finalizações e só três chances de gol: o rebote na área que Nino aproveitou na bola parada; o contra-ataque do gol de Luiz Henrique e o chute de Fred da entrada da área que parou em Volpi.

Scout - Fluminense x São Paulo

Quesito

Fluminense

São Paulo

Posse de bola

44%

56%

Finalizações

8

9

Chances de gol

3

3

Passes certos

246

360

Passes errados

59

74

Desarmes

31

27

Faltas

16

16

Impedimentos

0

3

Fonte: ge

Apesar do gol sofrido de pênalti (onde Nino tranquilamente poderia ter sido expulso, diga-se de passagem), o Fluminense fez um jogo relativamente seguro até a pressão nos minutos finais, quando Marcos Felipe "salvou o bicho". Mas muito em função também das substituições de Marcão, que recuou demais o time e tirou qualquer chance de contra-ataque. A equipe terminou a partida com três zagueiros (Nino, Luccas Claro e David Braz), dois laterais-direitos (Calegari e Samuel Xavier) e três volantes (André, Wellington e Yago) em campo. Daí, virou ataque contra defesa.

Entre os testes de Marcão, o que deu melhor resultado foi o retorno de Calegari para o time titular. O lateral-direito não jogava há quase dois meses, desde a derrota por 1 a 0 para o Grêmio com gol de pênalti, mas deu poucos espaços para Reinaldo, que é o ponto forte do São Paulo, e contou com a ajuda de Luiz Henrique nas coberturas defensivas. Mas pelo que jogou o ala, que foi o líder em desarmes da partida com sete, parece que vai ser difícil tirá-lo da equipe agora.

Os jogadores do Fluminense se reapresentam na tarde desta segunda-feira no CT Carlos Castilho, quando Marcão vai iniciar a preparação para encarar o Atlético-MG na Copa do Brasil. A viagem para Belo Horizonte será na terça-feira, logo após o treino. Após a eliminação nas quartas de final da Libertadores, o Tricolor tenta seguir vivo na Copa do Brasil. No Brasileirão, o time colou de vez no G-6 e está só um ponto atrás da zona de classificação para a Libertadores de 2022.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Seu comentário aguardará aprovação antes de ser publicado no site

Sem Comentários