Coordenadora da bancada, Kátia Abreu quer que PGR apure possível irregularidade do governo estadual na distribuição do maquinário

Publicado em: 30 de Junho de 2020
Foto Por: Divulgação
Autor: Cleber Toledo
Fonte: Cleber Toledo
Coordenadora da bancada federal, senadora Kátia Abreu

O governo estadual inicia nesta segunda-feira, 29, a entrega de 231 máquinas pesadas para os municípios tocantinenses, adquiridas por emenda dos congressistas do Estado. Apesar disto, a coordenadora da bancada federal, a senadora Kátia Abreu (Progressistas), apresentou um ofício ao procurador-geral da República, Augusto Aras, no domingo, 28, para pedir a apuração de possíveis irregularidades na mudança dos critérios de distribuição dos equipamentos, bem com alteração do objeto do processo licitatório.

 

De 15 para apenas 5 maquinários possíveis

 

Kátia Abreu narra no ofício que os R$ 68,25 milhões da bancada federal foi repassado por meio de um convênio entre a Agência Tocantinense de Transportes e Obras (Ageto) e a Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (Sudam). Segundo a senadora, um acordo definiu que todas as cidades teriam o mesmo valor para aquisição dentro de uma relação de 15 maquinários. Entretanto, os equipamentos elencados pelos municípios foram reduzidos para apenas cinco itens.

 

Convicção de componente eleitoreiro

 

A senadora progressista também se disse “surpresa” com a mudança nos critérios de distribuição destas máquinas que garantiu a 80 municípios o direito a dois itens, desvirtuando da partilha igualitária prevista no acordo costurado entre a coordenação da bancada federal e a Associação Tocantinense de Municípios (ATM). “Temos a convicção de componente político eleitoreiro na exclusão de 59 municípios do direito de receber a segunda máquina”, afirma Kátia Abreu, que pede a Aras a análise do processo licitatório.

– Ofício de Kátia Abreu ao procurador-geral da República, Augusto ArasBaixar

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.