Quarta - Feira,
26 de Janeiro de 2022

Novo comandante do Atlético-MG, estiloso Mohamed se forjou técnico após morte trágica do filho

Antônio Turco Mohamed perdeu um dos quatro filhos em acidente na Alemanha, em 2006, e prometeu título com o Monterrey, que chegou na temporada 2019/2020

Autor: Fred Ribeiro e Guilherme Macedo — de Belo Horizonte

Fonte: GE — de Belo Horizonte

Publicado em 14 de Janeiro de 2022 (Atualizado Há 2 semanas atrás)

Legenda: Antonio Turco Mohamed

Autor da Foto: Divulgação/Huracán

O Atlético-MG definiu Antônio “Turco” Mohamed como técnico para substituir Cuca. Argentino que acumula bons trabalhos em campo e que chama atenção pelas vestimentas - terno, colete, óculos escuros, sapato de bico fino. Não por acaso foi eleito o técnico mais estiloso do Campeonato Espanhol de 2018, na passagem pelo Celta de Vigo.

Mohamed foi atacante e fez carreira na Argentina e no México, entre as décadas de 1980 e 1990. Era comum vê-lo usar um short térmico por debaixo do calção, em cores vibrantes. Passou por clubes como Huracán, Boca Juniors, Independente, Monterrey e América. Chegou à seleção argentina, mas sem sucesso. Desde aqueles tempos, tinha um estilo extravagante, demonstrado principalmente pelos cortes de cabelo.

A carreira como treinador começou pouco depois de aposentar dos gramados. Também foi construída entre Argentina e México, mas tomou um rumo de crescimento principalmente a partir de um acontecimento familiar trágico.

Em 2006, o então técnico do Huracán, apaixonado por futebol e pela seleção argentina, viajou com familiares e amigos para acompanhar a Copa do Mundo na Alemanha. Após a eliminação dos Hermanos para os anfitriões, decidiram retornar à América do Sul. Mas a chegada ao aeroporto foi interrompida por um grave acidente de carro. Mohamed foi levado ao hospital com diversos ferimentos, mas Farid, filho dele, não resistiu.

O garotinho, então com nove anos, era o segundo filho de Mohamed. Mais novo apenas que a primogênita Mayra. Ambos viveram de perto a passagem do pai como jogador do Monterrey. Por isso, Farid era apaixonado pelo clube, segundo relatos de “Turco”. No luto, o treinador prometeu conquistar um título nacional com o clube. Desde então, sempre leva consigo um terço com o nome do filho às costas.

Nos anos seguintes, a carreira de Mohamed como treinador foi ganhando forma. Conquistou a Sul-Americana de 2010 com o Independiente e foi ao modesto Tijuana, do México. Fez um trabalho muito elogiado. Foi campeão do Apertura, em 2012, e chegou às quartas de final da Libertadores de 2013, eliminado justamente pelo Galo.

Retornou ao Huracán e passou ainda pelo América, do México, onde novamente conquistou o Apertura. Quase dez anos depois da promessa feita a Farid, chegou ao Monterrey, em 2015. Ficou por mais de três anos, saiu para o Celta de Vigo e para o Huracán, até voltar aos Rayados, em 2019.

O ano da consagração e do cumprimento da promessa ao filho. Além de vencer a CONCACAF e ir ao Mundial de Clubes, também conquistou a Copa do México e o Campeonato Mexicano. Enquanto todos os jogadores corriam e vibravam pelo título, Mohamed chorava copiosamente no banco, com o terço nas mãos. E assim seguiu, mesmo quando levantou-se para ir ao gramado.

Na entrevista coletiva, ofereceu a taça a Farid

"Devem estar fazendo festa no céu"

Filhos ligados ao futebol

Além de Mayra e Farid, Turco tem outros dois filhos que são muito ligados ao futebol: Shayr Mohamed e Nayib "Lochi" Mohamed. Ambos buscam seguir a antiga carreira do pai e são acompanhados de perto pelo treinador, que sempre que possível marca presença nos treinamentos e jogos.

Shayr passou pela base do Huracán e estreou como profissional exatamente no Monterrey, quando o pai era o treinador. Passou ainda por Tijuana e Cancún FC, mas agora fechou com o Arsenal de Sarandi. Ele tem 21 anos e é atacante.

Estilo para todos os gostos

Em relação ao campo, muito se fala sobre Mohamed não ter um único estilo de jogo adotado em seus times. E isso também pode se levar em consideração sobre a forma de vestir do treinador. Vai do estilo boleirão, de óculos escuros e shorts levantados...

... ao estilo mais europeu, com blazer e sapato social (algumas vezes com tênis), ou esportivo, com agasalhos dos clubes.

Treta com Klopp

Se o estilo de vestir à beira do campo muitas vezes se assemelha ao europeu, o sangue é latino. Ainda que não seja tão agitado quanto Sampaoli, também não é dos mais quietos na área técnica. E o duelo entre Monterrey e Liverpool, no Mundial de 2019, mostrou.

Durante o segundo tempo, o argentino discutiu com Klopp. Mohamed pediu amarelo a um jogador do Liverpool, e o comandante adversário reagiu chamando para a briga. Turco apontou para o vestiário, como quem dissesse, ao melhor estilo brasileiro: "Lá fora a gente resolve".

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Seu comentário aguardará aprovação antes de ser publicado no site

Sem Comentários