Treinador, empresário e até fazendeiro: por onde andam os campeões do Botafogo de 1995

Veja como estão os titulares e reservas mais ativos da campanha do título nacional depois de 25 anos; TV Globo transmite jogo da final contra o Santos no próximo domingo, às 15h45

Publicado em: 05 de Junho de 2020
Foto Por: Luiz Cláudio Amaral/GloboEsporte.com
Autor: Emanuelle Ribeiro e Thayuan Leiras — Rio de Janeiro
Fonte: Globo Esporte
Campeão pelo Botafogo em 1995, Wágner é dono de um bar/restaurante em Niterói, onde mora

 Vinte e cinco anos depois de um dos títulos mais significativos da história do Botafogo, por onde andam os campeões brasileiros de 1995? Os jogadores já penduraram as chuteiras, e o GloboEsporte.com conta o que fazem atualmente os titulares e reservas mais ativos naquela conquista.

 

A Globo reprisa o jogo do título brasileiro do Botafogo em 1995, contra o Santos, neste domingo, às 15h45.

+ Bicho em derrota, avião lotado e desconfiança com o "português": histórias de 95
+ Artilheiro "pontual", Gonçalves aponta duelos com Flamengo e Atlético-MG
+ Ex-diretor recorda "grande festa" em General Severiano dias antes do título

 

Wágner

 

Wágner pode ser considerado um dos principais responsáveis pelo título brasileiro. Com defesas incríveis, salvou o Botafogo várias vezes e, na grande final, fechou o gol. Não participou de apenas um jogo daquele campeonato, contra o Bahia, no segundo turno. Ficou no Botafogo até 2002.

 

O ex-goleiro vive atualmente em Niterói (RJ), onde é dono de um bar/restaurante no mercado de peixes da cidade.

 

Wilson Goiano

 

O lateral-direito tornou-se titular a partir da 3ª rodada. Marcou um gol de pênalti contra o Bahia, na segunda fase, e deu assistências importantes de bola parada, como nos dois gols da primeira partida da final contra o Santos, em escanteio.

 

Hoje com 51 anos, Wilson Goiano mora em Trindade (Goiás) e é advogado. O ex-jogador é ainda sócio-proprietário do Centro Esportivo Wilson Goiano e coordenador da Escola de Futebol Wilson Goiano, um projeto que envolve aproximadamente 400 garotos.

 

Wilson Gottardo

 

Gottardo era o capitão do Botafogo em 1995 e jogador de confiança de Paulo Autuori. Marcou apenas um gol, mas um dos mais importantes da campanha: o primeiro da final contra o Santos, na vitória carioca por 2 a 1.

 

Atualmente, está disponível no mercado como treinador e também se especializou como diretor técnico de futebol.

 

Gonçalves

 

O ex-zagueiro chegou ao Botafogo para o Brasileiro de 1995, após cinco anos futebol do México. Um dos líderes do grupo, atuou 25 vezes e marcou dois gols, contra Flamengo e Atlético-MG.

 

Hoje, está no mundo dos negócios envolvendo futebol e mora em Miami, nos Estados Unidos. É responsável por uma empresa de consultoria esportiva, acionista de uma start up que trabalha com avaliação de atletas e é embaixador de um dos maiores complexos esportivos do mundo.

 

 

André Silva

 

Revelado na base do Botafogo, tornou-se lateral-esquerdo pela carência da posição e conquistou-a, atuando em 19 partidas. Em 1996, André Silva transferiu-se para o Grêmio, sendo novamente campeão brasileiro.

 

Atualmente é profissional de Educação Física e tem uma escolinha de futebol - com três unidades no Rio de Janeiro - para crianças com idade entre 5 e 14 anos. André Silva mora em Campo Grande, bairro da zona oeste do Rio, e ainda é dono de uma empresa de transportes que trabalha com navios transatlânticos. O ex-jogador é pré-candidato a vereador no Rio de Janeiro.

 

Leandro Ávila

 

O volante chegou ao Botafogo no decorrer do campeonato, vindo do Vasco. Estreou na 5ª rodada e logo conquistou a titularidade, desbancando Moisés. Atuou em 19 partidas e não marcou nenhum gol.

 

Leandro Ávila atua hoje como assessor do ex-jogador e deputado estadual Bebeto, na Alerj - Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro.

 

Jamir

 

O volante marcou o primeiro gol do Botafogo no Brasileirão de 95, no empate em 2 a 2 contra o Vitória, pela estreia da competição. Paulo Autuori gostou tanto de Jamir que o levou para o Benfica no ano seguinte.

 

Jamir é sócio-proprietário de uma agência chamada D.vida com foco em design e marketing digital.

 

Beto

 

Cria da base, Beto foi fundamental naquele time, e as boas atuações lhe renderam as primeiras convocações para a seleção brasileira. Atuou em 24 partidas, todas como titular.

 

Atualmente, o ex-meia mora na zona oeste do Rio de Janeiro e trabalha com uma universidade de trading esportivo, vendendo cursos online sobre como operar no mercado de apostas esportivas. Também trabalha com venda de sinais.

 

Sérgio Manoel

 

Destaque nas bolas paradas, Sérgio Manoel participou de 25 partidas, marcando três gols - um contra o Palmeiras, na primeira fase, e os outros dois contra o Sport, na segunda fase. Em 1996, transferiu-se para o Japão.

 

A carreira de jogador já passou, mas Sergio Manoel não conseguiu ficar longe do campo e da bola. Hoje, é treinador da Juventus Academy em Miami e trabalha com futebol de base. Está nos Estados Unidos há quase 10 anos.

 

Donizete

 

 

Depois de quatro anos no México, chegou ao Botafogo e formou, ao lado de Túlio, um dos ataques mais efetivos da história do clube. Atuou em 24 partidas, marcando seis gols. Na final, com uma lesão na coxa, jogou na superação e ajudou o time a ser campeão.

 

Hoje, participa de eventos e jogos de máster pelo país. Recentemente, concluiu cursos para treinador e pensa na possibilidade de retornar ao futebol. Planeja ser comentarista.

 

Túlio

 

Personagem principal daquela conquista, foi o artilheiro da competição, com 23 gols, e ficou fora de apenas dois jogos.

 

Depois de pendurar as chuteiras, Túlio voltou para Goiânia e passou a participar de jogos festivos e solidários. É também palestrante motivacional e tem uma escolinha social para crianças carentes de Goiás. Planeja virar comentarista.

 

Moisés

 

Era um reserva de luxo. Titular até a 4ª rodada, acabou perdendo a posição para Leandro Ávila, contratado no decorrer do Brasileiro. Atuou em mais 13 partidas, inclusive entrando nas duas finais. Marcou um gol contra o Fluminense.

 

Hoje, Moisés mora em Vitória, no Espírito Santo, é técnico em segurança do trabalho e coordena um projeto social com crianças na Escola de Futebol Moisés 95. O ex-volante é ainda assessor parlamentar do vereador Denninho Silva.

 

Iranildo

 

Outro reserva bastante utilizado, Iranildo foi contratado quatro dias antes do começo do Brasileirão. Disputou 17 partidas, incluindo as duas semifinais e a primeira final. As boas atuações chamaram a atenção de Zagallo, que e o convocou para a seleção brasileira. Marcou um gol, contra o Corinthians.

 

Depois de viver em Brasília por 13 anos e atuar no Brasiliense até 2013, Iranildo voltou a morar no Rio de Janeiro em 2015 para acompanhar o filho Yago, atacante do time sub-20 do Fluminense.

 

Marcelo Alves

 

O ex-meia também era reserva e participou de 14 partidas no Brasileiro. Marcou um gol contra, logo na estreia diante do Vitória, mas garantiu o seu também sobre o Flamengo, na vitória por 3 a 1 no Castelão.

 

Marcelo é outro que entrou no mundo dos negócios. Voltou para Minas Gerais, mora na cidade de Caratinga e virou produtor de café, gado de leite e tem uma lanchonete, que garante ser a melhor da cidade.

 

Narcízio

 

O ex-atacante foi titular do Botafogo no Campeonato Carioca de 1995, mas lesionou-se e perdeu posição para Donizete no Brasileiro. Disputou 12 partidas na campanha do título e marcou quatro gols.

 

Narcízio fez curso de treinador e trabalha com categorias de base em Fortaleza, no Ceará. Treinou clubes como Ferroviário, Atlético Cearense e Eusébio, além de ter sido auxiliar técnico no Floresta.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.