Estado prorroga Operação Lockdown nos presídios por 30 dias e reduz número de unidades que podem receber presos

Agora são 16 unidades penais que podem receber novos presos no estado. Medida é para combater a pandemia de coronavírus nos presídios do estado.

Publicado em: 22 de Julho de 2020
Foto Por: Reprodução/TV Anhanguera
Autor: G1 Tocantins
Fonte: G1 Tocantins
Entrada da Casa de Prisão Provisória de Palmas

A Secretaria de Cidadania e Justiça (Seciju) informou que vai prorrogar por mais 30 dias a Operação Lockdown nos presídios do estado.

 

A ação limita o recebimento de novos presos em algumas unidades prisionais durante a pandemia de Covid-19. Segundo o governo do estado, o objetivo é evitar a disseminação do coronavírus entre servidores e detentos.

 

A 6ª fase da operação será finalizada dia 19 de agosto. Nesta fase, 16 unidades prisionais foram selecionadas para receber novos detentos. Há somente uma mudança em relação à fase anterior, com a retirada da prisão de Colinas do Tocantins.

 

As unidades que estão recebendo novos presos são: Araguatins, Araguaína, Babaçulândia, Tocantinópolis, Colmeia, Araguacema, Pedro Afonso, Palmas, Lajeado, Paraíso do Tocantins, Miracema, Porto Nacional, Talismã, Gurupi, Dianópolis e Arraias.

 

Os demais presídios do estado não poderão receber novos presos. Atualmente, o Tocantins tem 38 unidades prisionais, sendo que as 16 unidades selecionadas estão distribuídas em todas as regiões.

 

Durante a 5ª fase da Operação, do dia 6 a 20 de julho, o sistema prisional recebeu 162 novos presos. A Cadeia Pública de Miracema (32 novos presos), e as casas de Prisão Provisória de Araguaína e de Dianópolis (com 25 novos internos cada uma) foram as que receberam mais receberam presos.

 

Entenda

A restrição foi estabelecida no mês de maio e acabaria em junho, mas foi prorrogada por várias vezes, tendo em vista os números do novo coronavírus no Tocantins e a vulnerabilidade da população carcerária, pela estrutura física das unidades penais. Além disso, segundo o Estado, o objetivo é impedir a sobrecarga no sistema de saúde.

 

No mês de abril, houve a suspensão das visitas presenciais e a autorização para que os detentos pudessem fazer telefonemas para as famílias, em dias e horários agendados. Segundo a Secretaria de Cidadania e Justiça (Seciju), todas as medidas são para preservar a saúde dos presos e dos funcionários do sistema.

 

Apesar de todas as medidas, o coronavírus chegou até as unidades. Nos últimos meses foram registrados surtos da doença na Cadeia Pública de Augustinópolis e na Casa de Prisão Provisória de Guaraí. Também houve registro de casos em de Araguaína, Araguatins e Augustinópolis.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.