Polícia Civil volta a prender suspeito de matar empregada doméstica durante assalto em Palmas

Homem tinha sido preso temporariamente em maio deste ano, mas acabou sendo liberado. Desta vez a prisão é preventiva.

Publicado em: 18 de Setembro de 2020
Foto Por: Reprodução/Facebook
Autor: G1 Tocantins
Fonte: G1 Tocantins
Leidiene Pacheco foi assassinada durante o assalto

A Polícia Civil voltou a prender um dos suspeitos de envolvimento na morte da empregada doméstica Leidiene Pacheco da Silva. O homem tinha sido preso temporariamente em maio deste ano, mas acabou sendo liberado. Desta vez o mandado é para prisão preventiva.

 

De acordo com a 1ª Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (1ª DHPP), o suspeito foi encontrado nas proximidades de um assentamento em Tocantínia, região central do estado. A ordem de prisão foi expedida pela 1ª Vara Criminal de Palmas e cumprida pelo delegado Hismael Athos, que está respondendo pela 69ª Delegacia de Polícia Civil de Tocantínia.

 

Em maio, o suspeito foi preso em sua casa no Jardim Taquari, na região sul de Palmas. Ele tinha sido ouvido e levado para a Casa de Prisão Provisória de Palmas, mas acabou sendo liberado após o prazo da prisão encerrar.

 

Segundo suspeito

A empregada doméstica Leidiene Pacheco da Silva, de 33 anos, foi morta a tiros durante assalto no Aureny III, na região sul de Palmas, em 2018. O segundo suspeito do crime é um homem de 21 anos que foi preso em julho deste ano em Confresa, no Mato Grosso.

 

Ele foi apontado pelas investigações como o autor dos disparos que mataram a mulher durante um assalto em uma rotatória.

 

Na época, as testemunhas disseram à polícia que a vítima passava pelo local de moto e ao diminuir a velocidade foi abordada pelos criminosos que queriam levar a bolsa e o celular dela. Ao tentar escapar do assalto, a mulher foi atingida pelos disparos e morreu antes mesmo da chegada do Samu.

Leidiene Pacheco na época tinha 35 anos, era diarista e deixou três filhos.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.