Presos da CPP de Palmas vão fazer máscaras para ajudar no combate ao coronavírus

Produtos serão distribuídos para população carcerária e na rede pública de saúde do Tocantins. Fábrica está sendo montada na Casa de Prisão Provisória de Palmas.

Publicado em: 26 de Março de 2020
Foto Por: Embrasil Serviços/ Divulgação
Autor: G1 Tocantins
Fonte: G1 Tocantins
Máquinas de costura que serão utilizadas na fábrica de máscaras

Presos da Casa de Prisão Provisória de Palmas vão trabalhar na fabricação de máscaras que serão utilizadas no combate ao coronavírus. Os produtos serão distribuídos para a própria população carcerária do estado e na rede pública de saúde do Tocantins. A fábrica que está sendo montada terá capacidade para produzir 30 máscaras faciais artesanais.

 

Conforme a Secretaria de Cidadania e Justiça, o projeto é feito em uma parceria entre o governo estadual, a empresa que está administrando o presídio e a fornecedora dos uniformes dos presos. As máscaras serão confeccionadas com o material específico determinado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

 

Dez presos foram selecionados para participar do projeto, chamado Trabalhando a Liberdade, e vão passar por um treinamento. Eles receberão um salário mínimo por mês e terão um dia de pena remido para cada três dias trabalhados.

 

A expectativa é de que a fábrica comece a funcionar em abril. "O treinamento deve durar uma semana. Montamos uma unidade fabril com oito máquinas de costura, com capacidade para produzir 30 mil máscaras. A produção oficial deve começar no dia 6 de abril", explicou o gerente de ressocialização da Embrasil Serviços, que administra a CPP, Alexandre Calixto

 

Quando a pandemia do coronavírus acabar e a produção das máscaras faciais não for mais necessária, a nova fábrica da CPP de Palmas vai produzir uniformes prisionais, segundo a secretaria.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.