Domingo,
01 de Agosto de 2021

Em meio ao tempo seco, ipês florescem e embelezam avenidas de Palmas

Planta é nativa do cerrado e encanta moradores, em pleno calorão e baixa umidade. Bióloga explica que as flores do ipê atraem polinizadores e garantem a sobrevivência da planta, nesse período do ano.

Autor: Cinthia Ribeiro e Jesana de Jesus, TV Anhanguera e G1 Tocantins

Fonte: G1 Tocantins

Publicado em 20 de Julho de 2021 (Atualizado Há 2 semanas atrás)

Legenda: Ipês espalhados pela capital encantam moradores e turistas

Autor da Foto: Reprodução/TV Anhanguera

No período de estiagem, o calor forte e o tempo seco castigam, mas também fazem surgir um colorido especial. Os ipês, planta nativa do cerrado, estão espalhados pelas avenidas e quadras de Palmas. Com cores vibrantes, eles encantam os moradores e deixam os espaços mais bonitos e cheios de vida.

Na capital, a beleza das árvores chama a atenção de adultos e crianças. É difícil passar por elas sem parar para apreciá-las. O espaço também vira cenário para belas fotos. "Eu gosto de flor rosa claro e flor rosa escuro. São as minhas preferidas", diz Maria Clara Araújo, de 7 anos.

"Ela é bonita, gosto de pintar, de tirar foto com ela. Meu pai ama tirar foto com flor", admite Ana Luiza Martins, de 9 anos.

A beleza das flores em pleno calor, baixa umidade e tempo seco, surpreende e deixa o dia mais leve. Para o advogado Wellington Martins, elas são como um presente de Deus para o homem.

"Representa a beleza de Deus nas nossas vidas. Como é possível uma planta florescer em plena seca, com flores tão vivas e tão bonitas? Nós, homens, não conseguiríamos de forma alguma fazer isso. É um presente de Deus".

As cenas das flores caindo também trazem memórias da infância vivida no meio do cerrado.

"Como eu sou apaixonada, amo flores, trazem muitas lembranças lindas da minha infância, lembranças de correr no quintal, no cerrado. Isso traz uma alegria tão grande, quando eu começo ver essas flores, parece que eu começo voltar a esse tempo. São as maravilhas de Deus nas nossas vidas", argumenta a dona de casa Antônia Portil.

Além dos ipês, o flamboyant, a fava de bolota, o cajueiro, o pequizeiro são plantas típicas do cerrado que florescem e frutificam nessa época. O colorido se torna alívio para os olhos da professora Stella Maris Rosselet, que morou na Suíça por mais de 45 anos e está na capital do Tocantins há cerca de 10 anos. Algumas das espécies, ela não conhecia.

As flores do ipê, além de lindas, garantem a sobrevivência da planta nesse tempo seco. Elas chamam a atenção dos polinizadores, os beija-flores e as abelhas. A ventania, típica nessa época, ajuda a levar as sementes para outros lugares.

"É atrativo para os polinizadores porque quase não tem outras plantas nessa época florindo. Então, reduz a competitividade entre os polinizadores. Ocorre a fecundação, daí vem os frutos e as sementes. As sementes são aladas, têm formato aerodinâmico, ela é dispersa pelo vento. Nessa época de seca, o vento é mais intenso, e aí ocorre a dispersão", explica a bióloga Silene Livia de Oliveira.

Os ipês levam cerca de cinco anos até florescer. Para manter a beleza e o colorido na cidade, é preciso ter respeito e conscientização ambiental.

"Cada árvore tem sua particularidade, tem o tipo de folha, de flor, de cheiro diferente, o tronco é diferente. Isso é muito interessante. Falando nisso, eu queria fazer um apelo, não pintem os troncos das árvores, existe uma estrutura chamada lenticelas, que ocorre troca gasosa, a árvore também respira por ali. Quando pinta o tronco, impede essa respiração, isso atrapalha o desenvolvimento da planta, pode até matar dependendo do tamanho da planta".

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Seu comentário aguardará aprovação antes de ser publicado no site

Sem Comentários