Léo Barbosa pede indenização para Psicólogos que estão trabalhando nas alas de tratamento de Covid-19

O parlamentar também solicitou urgência na contratação de uma empresa de segurança para atuar nas unidades de saúde estaduais.

Publicado em: 23 de Setembro de 2020
Foto Por: Dicom Aleto
Autor: Ascom
Fonte: Ascom
Deputado Léo Barbosa.

O deputado estadual Léo Barbosa solicitou ao Governo do Tocantins, durante a Sessão Ordinária desta terça-feira (22), o pagamento de indenização extraordinária de combate à Covid-19 aos servidores públicos profissionais de Psicologia que estão vinculados a unidades hospitalares e que tenham exercício de atividades exclusivamente nas alas de tratamento da doença.



Barbosa destacou que estes profissionais não foram incluídos na Lei 3.705 de 22 de julho de 2020, que Institui a Indenização Extraordinária de Combate à COVID-19 aos profissionais da saúde e que é de extrema importância que a categoria também seja assistida.



"Muitos Psicólogos estão atuando na linha de frente no combate à doença e também têm um desgaste constante por estarem mais vulneráveis ao contágio. Esses profissionais trabalham junto aos leitos onde temos os pacientes internados a mais tempo, passando a eles tranquilidade e equilíbrio, bem como aos familiares, e devem receber essa indenização", ressaltou Léo.



Ainda durante a sessão, o parlamentar pediu que a Secretaria Estadual de Saúde faça a contratação urgente de uma empresa de segurança e vigilância para atuar nos hospitais do Estado, como por exemplo no Hospital Geral de Palmas.



"Temos visto notícias nos telejornais de ocorrências de furtos de motos e pneus de carros, além do sentimento de insegurança dentro dos hospitais. São veículos de pessoas que muitas vezes estão acompanhando um paciente ou trabalhando o dia inteiro e ao final do plantão se deparam com os seus bens furtados ou danificados", completou Barbosa.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.