Quarta - Feira,
26 de Janeiro de 2022

Processo de impeachment contra Carlesse já é considerado irreversível por deputados

Autor: Cleber Toledo 

Fonte: Cleber Toledo 

Publicado em 02 de Dezembro de 2021 (Atualizado Há 2 meses atrás)

Legenda: Plenário da Assembleia Legislativa do Tocantins

Autor da Foto: Silvio Santos/ALTO

O processo de impeachment contra o governador afastado Mauro Carlesse (PSL) já é considerado irreversível por deputados ouvidos pela Coluna do CT. O presidente da Assembleia, Antônio Andrade (PSL), viajou para Colinas do Tocantins nesta quarta-feira, 1º, com o governador interino Wanderlei Barbosa (sem partido) e os dois conversaram muito.

Preocupação com o rito

O imbróglio agora é apenas jurídico. A preocupação é que tudo seja feito rigorosamente de acordo com a lei para evitar erros e futura anulação do processo. Para isso, o Regimento Interno será revisado para adequá-lo ao da Câmara dos Deputados. Algumas defasagens serão corrigidas, como a que diz que o voto no impeachment é secreto na Assembleia, mas deve aberto e nominal.

Presidente aguarda manifestação da Procuradoria da Assembleia

Na reunião de terça-feira, 30, o presidente Antônio Andrade ficou de se posicionar nessa quarta, o que não ocorreu porque ele pretende se manifestar sobre o processo somente quando tiver em mãos o parecer da Procuradoria Jurídica da Assembleia, que pode ser concluído a qualquer momento.

Pedidos de impeachment podem chegar a três

Também está sendo analisada a consistência dos pedidos de impeachment protocolados pelo presidente do Sindicato dos Servidores, Cleiton Pinheiro, e pelo deputado Júnior Geo (Pros). Um outro pode entrar na Assembleia, já que há um pedido para que o Conselho da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) capitaneie o caso.

Decisão do presidente

Na reunião de terça-feira, 30, chegou-se a cogitar uma resolução conjunta dos deputados dando aceite ao processo de impeachment, mas Antônio Andrade foi alertado que será um ato nulo, uma vez que a prerrogativa é exclusiva dele. Contudo, ficou claro que já está formada maioria para a cassação do governador afastado. “Hoje o impeachment conta com 17 ou 18 deputados, mas na hora do voto vai contar com quase todos. Questão até de sobrevivência política”, avaliou um parlamentar ouvido pela coluna.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Seu comentário aguardará aprovação antes de ser publicado no site

Sem Comentários