Raul Filho é condenado por associação criminosa, corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso da Delta

Esposa do ex-prefeito, a ex-deputada estadual Solange Duailibe também foi condenada pela decisão

Publicado em: 04 de Abril de 2020
Foto Por: Secom
Autor: Cleber Toledo
Fonte: Cleber Toledo
Ex-prefeito de Palmas Raul Filho

Em decisão publicada nesta quarta-feira, 1º, a 3ª Vara Criminal do Tocantins condenou o ex-prefeito Raul Filho (sem partido), a esposa, ex-deputada estadual Solange Duailibe (PT),  e outras três pessoas no processo oriundo da Operação Monte Carlo, da Polícia Federal, que envolveu o empresário Carlos Augusto de Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira, também condenado. O caso ganhou repercussão nacional após o Fantástico divulgar imagens entre o ex-gestor da Capital e Cachoeira.

Delta conseguiu R$ 116 milhões em contratos na gestão de Raul Filho

Raul, Solange e outros membros da administração municipal na época teriam atuado de forma ilícita para garantir que a Delta Construções – ligada a Carlinhos Cachoeira – conseguisse contratos com a municipalidade. Conforme o processo, em dois mandatos do ex-prefeito a empresa recebeu R$ 116.980.831,79 por serviços de limpeza urbana e coleta de lixo, a maioria contratados por meio de dispensa à licitação.

Condenações

Para garantir os contratos à Delta, Raul Filho e Solange Duailibe incorreram na prática de associação criminosa, corrupção passiva, lavagem de dinheiro e  concurso material, conforme decidiu o juiz Rafael Gonçalves de Paula. Já Carlinhos Cachoeira foi condenado apenas pelos dois primeiros delitos. Kenya Tavares Duailibe e Jair Corrêa Júnior também estão entre os condenados. A Coluna do CT tentou contato com ex-prefeito, mas não obteve sucesso. O espaço está aberto para manifestação de qualquer dos citados. A decisão é de 1ª instância e cabe recurso.

Clique para conferir a íntegra da decisão.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.