TEMPO REAL / Enfim, temos a “vachina”, apesar de Bolsonaro

Publicado em: 19 de Janeiro de 2021
Foto Por: Secom TO
Autor: Cleber Toledo
Fonte: Cleber Toledo
Secretário estadual da Saúde, Edgar Tollini, diante das caixas com doses da Coronav para o Tocantins

Essa segunda-feira, 18, foi um dia histórico para o Tocantins e para todos os Estados que estão tendo a graça de começar a vacinação de seus cidadãos contra a Covid-19. Mais de 96 mil tocantinenses foram contaminados pelo novo coronavírus desde abril e 1.316 perderam suas vidas. Um massacre sem igual na nossa história.

 

Assim, é grande a esperança de que todos logo possamos estar imunizados e livres dessa terrível doença. Apesar dos esforços incansáveis do presidente da República, Jair Bolsonaro, para impedir que chegássemos a este momento tão esperado por todos.

 

Esses dois dias não devem ter sido fáceis para ele, diante da derrota que sofreu para a ciência, contra a qual ele e seus fanáticos se insurgem todos os dias, e para seu maior adversário, o governador de São Paulo, João Dória (PSDB), um político “pastel de vento”, com muito marketing e pouquíssimo conteúdo aproveitável, mas catapultado ao panteão dos heróis nacionais pela parvoíce e incapacidade do presidente da República de ler cenário e se posicionar corretamente no tabuleiro.

 

O fato é que Bolsonaro jogou contra a Coronavac, que chamava desdenhosamente de “vacina chinesa do Dória” e que agora, fragorosamente derrotado e humilhado, diz que “não pertence a nenhum governador”. Quem disse que era “do Dória” foi o próprio beócio que hoje está presidente da República, nas lives patéticas, um circo dos horrores, que ele faz semanalmente para menosprezar a ciência, receitar remédios sem nenhum efeito comprovado, disseminar fake news e animar seus fanáticos na cruzada quixotesca contra a saúde pública para retornar o País à Idade das Trevas.

 

Desde o início desta pandemia, Bolsonaro jogou contra a saúde da população. A leitura dele era básica: sua reeleição depende do desempenho da economia brasileira, para a qual a Covid-19 representa uma ameaça. Logo, pensou na sua reflexão com a profundidade de pires, era preciso pregar que se tratava de uma “gripezinha”, que no máximo teríamos uns sintomas leves e os grupos de risco vão morrer mesmo, então, que se danem. Por isso, ia às ruas sem máscara, promovendo aglomerações, até porque — outra tese bolsonarista — é preciso alcançar a imunidade de rebanho, quando a grande maioria da população já teria sido contaminada e o novo coronavírus seria coisa do passado.

 

Mas vejam como essa tese é genocida: para alcançar tal imunidade, se morresse 3% da população, estamos falando de 6,3 milhões de vidas brasileiras perdidas para a Covid-19. Esse custo valeria para manter a economia funcionando? Só comprova que é a mentalidade genocida que move o presidente da República.

 

O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, que, pela dedicação científica no combate à doença, se tornou um obstáculo ao projeto bolsonarista de imunidade de rebanho, conta em seu livro Um paciente chamado Brasil que sua equipe chegou a apresentar em março do ano passado três cenários a Bolsonaro — após muita insistência para ser ouvida porque o beócio sequer queria conhecer os dados —: um com 30 mil mortos, com medidas duríssimas; outro, com 60 mil mortos, com ações fortes do governo (era o cenário mais factível); e um terceiro com 180 mil mortos, se o governo relaxasse na sua responsabilidade.

 

Estamos em mais de 210 mil vidas de brasileiros tomadas pela doença, diante de um governo que trocou duas vezes o ministro da Saúde em plena pandemia, optando por um — Eduardo Pazuello, que claramente desconhece o que seja saúde pública — apenas por ser cordeiro e aceitar todas as ordens superiores, bovinamente, como se fosse um cabo diante de um general — sendo ele general. E estamos falando de um capitão que foi posto para correr do Exército brasileiro, que também está em xeque neste momento. Um presidente da República que instigou todo tempo a população a ir para as ruas, se aglomerar, a não usar máscaras, receitando remédio ineficaz, sob o silêncio covarde e cúmplice do Conselho Federal de Medicina. Além disso, agora estimula seus fanáticos acéfalos a não tomarem a vacina que pode salvar vidas.

 

Inclusive, se realmente a preocupação do presidente da República fosse a economia, deveria ter uma postura totalmente contrária. Precisaria insistir para que todos se imunizassem para que logo o País entrasse no novo normal e pudéssemos voltar a trabalhar sem preocupação. Mas não. Age o tempo todo para sabotar todos os esforços da ciência, dos governadores e dos prefeitos.

 

Estamos falando aqui de vários crimes de responsabilidade, que já tornaram o Fiat Elba de Fernando Collor e as pedaladas fiscais de Dilma Rousseff coisas insignificantes. Já há mais que motivo para abrir um processo de impeachment substancioso contra o comportamento genocida de Bolsonaro, sobre o qual estão o sangue de mais de 210 mil brasileiros abatidos por uma doença, cujos impactos poderiam ser muito menores se estivéssemos diante de um homem público sério e responsável, o que não é o caso. Nem de longe. O atual presidente é um fanfarrão genocida e um irresponsável.

 

Por isso, é preciso apurar a fundo tudo isso e muito mais do que aqui foi rapidamente relatado, como o fato de o governo ter ignorado os contatos da Pfzier para discutir a compra da vacina e de que Bolsonaro e Pazuello sabiam, com dez dias de antecedência, que faltaria oxigênio no Amazonas. Este último fato mostra uma crueldade próxima dos psicopatas.

 

O Congresso Nacional não pode fugir a essa responsabilidade que tem com a população do Brasil e instaurar um processo de impeachment ou uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) para convocar essa gente covarde e irresponsável para depor e, se for o caso, puni-la com todo o rigor.

 

Da minha parte, tenho compromisso com minha consciência e meu país. Perco amigos, perco leitores, mas não farei como os que foram lembrados ano passado pelo ator Lima Duarte, ao resgatar Bertolt Brecht: “Os que lavam as mãos, o fazem numa bacia de sangue”.

As minhas não lavarei no sangue. Fora, Bolsonaro! Impeachment já!

 

CT, Palmas, 19 de janeiro de 2021.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.