Coronavírus: lentidão inicial em diagnósticos facilitou disseminação de vírus na China, diz estudo

Apenas 14% dos pacientes infectados foram identificados entre 10 e 23 de janeiro. Com sintomas leves, estas pessoas viajaram pelo país e foram a fonte de contaminação de 79% dos casos confirmados, segundo pesquisa publicada na revista Science.

Publicado em: 19 de Março de 2020
Foto Por: Wang Yuguo / Xinhua via AP
Autor: BBC
Fonte: BBC
Médico examina tomografias em hospital de Wuhan, epicentro da epidemia do novo coronavírus, na província de Hubei, na China, nesta quarta-feira (19)

Um novo estudo sobre o início do surto do novo coronavírus na China aponta que a maioria absoluta das infecções não foi detectada naquele momento, o que não só fez os casos de multiplicarem, mas espalhou o vírus pelo país.

 

Os autores da pesquisa concluíram que, antes de 23 de janeiro, apenas 14% dos pacientes contaminados foram identificados e que os 86% não detectados foram a fonte de infecção de 79% dos casos confirmados de Sars-Cov-2, como é chamado oficialmente este vírus.

 

PANDEMIA: veja quais países já registraram casos da doença

GUIA ILUSTRADO: sintomas, transmissão e prevenção

CORONAVÍRUS: veja perguntas e respostas

 

O estudo, realizado por cientistas da China, do Reino Unido e dos Estados Unidos e publicado na revista "Science", aponta que os casos não documentados apresentavam sintomas leves ou eram assintomáticos e, por isso, não eram detectados pela vigilância em saúde.

 

"Dependendo de sua capacidade de contágio e de seu número, eles podem expor ao vírus uma porção da sociedade muito maior do que ocorreria de outra forma", afirmam os autores.

 

De acordo com os autores da pesquisa, foram notificados no período analisado 16.829 casos na China, onde começou a atual pandemia.

 

Eles estimam, com base em modelos matemáticos, que, sem a transmissão a partir de pacientes não identificados, esse número seria reduzido em 78,8%, e, entre as 375 cidades analisadas, o número de municipalidades com mais de dez casos confirmados cairia de dez para apenas um.

 

"Essas descobertas indicam que as infecções não documentadas facilitaram a disseminação geográfica de Sars-Cov-2 na China", dizem os pesquisadores.

 

Restrições de viagens, testes rápidos e prevenção

A pesquisa calcula que, entre 24 de janeiro e 8 de fevereiro, após a imposição de restrições de viagens de viagens entre Wuhan, epicentro do surto, e outras grandes cidades, o número de infecções não identificadas caiu para 35%.

 

Esta e outras medidas adotadas também fizeram a taxa de contágio ser reduzida substancialmente. Até então, uma pessoa infectada contaminava em média 2,38 pessoas, o que aponta para "uma alta capacidade de transmissão sustentada de covid-19", como é chamada a doença provocada pelo novo coronavírus.

 

Entre 24 de janeiro e 8 de fevereiro, esse índice caiu para 0,99.

Os cientistas afirmam que os casos não documentados eram 55% menos contagiosos do que os documentados, mas que, por serem mais numerosos, eles contribuíram significativamente para o crescimento da epidemia.

 

O estudo destaca que, além das restrições de viagens, o auto-isolamento de cidadãos, a aplicação de testes rápidos para a confirmação de infecções e as recomendações de prevenção emitidas pelo governo alteraram as características epidemiológicas do surto.

 

"A capacidade de contágio foi substancialmente reduzida, possivelmente refletindo que apenas infecções muito leves e menos contagiosas seguiram sem ser documentadas ou que as medidas de prevenção individuais e de precauções de contato se provaram efetivas", dizem os cientistas.

 

Essas descobertas indicam que um aumento drástico na identificação e isolamento de infecções não documentadas é necessário para "controlar totalmente" o Sars-Cov-2.

 

Além disso, a maior conscientização da população fez com que mais pessoas se protegessem e buscassem atendimento. A mesma conscientização de profissionais de saúde e autoridades, junto com a maior disponibilidade de testes, permitiu identificar casos que haviam passado despercebidos.

 

O estudo afirma ainda que o adiamento da reabertura de escolas e o isolamento de casos suspeitos também contribuíram para aumentar as taxas de notificação de casos e reduzir a disseminação do vírus, "aliviando o peso sobre os já sobrecarregados sistemas de saúde".

 

'O isolamento social é fundamental'

Fernando Spilki, presidente da Sociedade Brasileira de Virologia, avalia que os resultados deste estudo são "impressionantes" e dão força à avaliação de que, em meio a esta pandemia, há um grande número de pessoas infectadas que, por apresentarem sintomas leves, acabam se deslocando dentro de um país e que "respondem majoritariamente pela transmissão do vírus".

 

"Mesmo o sistema de monitoramento chinês não conseguiu identificar todos os casos, o que explica a transmissão em cadeia que gerou pequenos surtos pelo país", diz Spilki.

 

Diante disso, ele avalia que as restrições de circulação de pessoas, que afetaram cerca de 500 milhões de chineses, de acordo com algumas estimativas, se provaram decisões acertadas para reduzir o contato social e as taxas de transmissão.

 

Spilki destaca que, atualmente, os laboratórios estão enfrentando dificuldades para conseguir determinados reagentes para fazer os exames de diagnóstico e avalia que dificilmente o Brasil conseguirá fazer um esforço em larga escala para testar a população.

 

O próprio governo federal tem dito que faltam insumos para ampliar essa testagem por meio de laboratórios e está avaliando a compra de testes rápidos de empresas do exterior.

 

"Isso demonstra mais uma vez que a questão do isolamento social é fundamental, porque não conseguimos mapear todos os casos", afirma Spilki.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.