Quarta - Feira,
26 de Janeiro de 2022

Mesmo crianças com alimentação balanceada podem ter carência de vitaminas e minerais

Entenda como a suplementação de vitaminas e minerais são essenciais e contribuem para o crescimento do seu filho.

Autor: Lavitan Vitaminas

Fonte: Bem Estar

Publicado em 01 de Dezembro de 2021 (Atualizado Há 2 meses atrás)

Legenda: A nutrição tem papel fundamental no crescimento

Autor da Foto: Shutterstock

Muito se fala da importância das vitaminas e minerais para nossa saúde, mas você sabe o que a baixa quantidade delas pode provocar no organismo? A carência de vitaminas e de minerais está relacionada a uma série de efeitos danosos na infância, com consequentes agravos à saúde, como: problemas na visão, na coagulação sanguínea, raquitismo, anemia e no desenvolvimento e crescimento cognitivo.

A nutrição tem papel fundamental no crescimento e a suplementação de vitaminas e minerais é recomendada durante a infância, sendo reconhecida como importante fator para o amadurecimento dos aspectos físicos, cognitivos, linguísticos, socioafetivos e comportamentais da criança, benefícios que se estendem ao longo da vida (*1,2).

Uma alimentação saudável ajuda a garantir o funcionamento adequado do organismo. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda cinco porções diárias, ao menos em cinco dias da semana, de frutas, verduras e hortaliças. Adultos e crianças, mesmo com acesso a uma diversidade de alimentos, podem ter dificuldades de alcançar as doses diárias necessárias de nutrientes, ocasionalmente por ingestão reduzida devido à escassa disponibilidade de certos alimentos ou por dietas desequilibradas e restritivas ou mesmo por absorção inadequada. Nesses casos, profissionais de saúde recomendam a suplementação de vitaminas e minerais (*2).

As vitaminas A, D e ferro estão entre os principais nutrientes recomendados pela Sociedade Brasileira de Pediatria. No Brasil, as deficiências de vitamina A, vitamina D e ferro são consideradas problemas de saúde pública. Por isso, gestores de estados e municípios, médicos e nutricionistas contam com o Manual de Condutas Gerais do Programa Nacional de Suplementação de Vitamina A. Esse programa foi instaurado em 2005, e tem por objetivo: reduzir e controlar a deficiência nutricional de vitamina A em crianças de 6 meses a 5 anos e puérperas no pós-parto imediato e que residam em regiões consideradas de risco (*2,3,4).

VITAMINA A

A vitamina A desempenha papéis importantes no crescimento, no metabolismo e na função imune do corpo humano, além de atuar no bom funcionamento do processo visual. Sua ausência pode levar, inicialmente, à cegueira noturna, evoluindo até situações mais graves como a perda da visão (*2,5).

É encontrada em alimentos de origem animal: óleos de fígado de peixes, derivados do leite, como queijo e manteiga ou de origem vegetal: folhas de cor verde-escura, frutos amarelos, raízes de cor alaranjada e óleos vegetais. Os carotenoides: pigmentos vermelhos e alaranjados naturalmente presentes nos alimentos são convertidos em vitamina A no fígado, onde a vitamina A é armazenada.

Crianças de 0 a 5 anos, gestantes e lactantes estão entre o grupo de pessoas mais afetadas pela deficiência de vitamina A.

FERRO

O ferro é um elemento nutricional essencial para o crescimento e desenvolvimento do organismo, principalmente no período da infância e durante a gestação. Contribui para a saúde e mantém em equilíbrio as funções do organismo, melhorando a capacidade física e mental e, consequentemente, de aprendizagem e capacidade produtiva (*2,5).

Pode ser encontrado em duas formas, heme e não heme. O ferro heme é normalmente encontrado em alimentos de origem animal, enquanto o ferro não heme é encontrado, além de em alimentos de origem animal, em vegetais, grãos fortificados e suplementos alimentares.

A falta de ferro no organismo provoca uma série de sintomas: cansaço frequente, falta de apetite e palidez. Ainda pode provocar doenças mais sérias, como a anemia.

A anemia ferropriva é a deficiência nutricional mais comum na infância em todo o mundo. São aproximadamente 1,62 bilhão de pessoas afetadas, em especial crianças menores de cinco anos. No Brasil, o Ministério da Saúde desenvolveu o Programa Nacional de Suplementação de Ferro para orientar profissionais da área na implementação da suplementação profilática universal, visando à prevenção e ao controle da anemia.

As consequências da anemia por deficiência de ferro podem comprometer o desenvolvimento motor e de linguagem e aprendizagem, gerando assim mais fadiga, desatenção, insegurança e falta de vontade em praticar atividades físicas.

As deficiências de vitamina A e de ferro interagem entre si e afetam crianças em idade pré-escolar, além de gestantes e lactantes. A deficiência de ferro pode promover a redução de apetite, com decorrente risco de desnutrição. A vitamina A pode interferir em vários estágios do metabolismo do ferro, além de atuar na mobilização e no transporte de mineral.

VITAMINA D

Estima-se que 1 bilhão de pessoas sofram de insuficiência ou deficiência de vitamina D, fazendo dessa deficiência um dos distúrbios nutricionais mais frequentes no mundo. No Brasil, embora a maioria da população resida em regiões de adequada exposição solar, a hipovitaminose D persiste como problema de saúde pública e não se restringe apenas a idosos e mulheres durante a menopausa, mas também acomete grávidas, crianças e adolescentes, especialmente aqueles com obesidade (*2,3,4).

A Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda a suplementação de vitamina D para todas as crianças, desde a primeira semana de vida como forma de prevenção ao raquitismo. As crianças devem ser estimuladas ao consumo de alimentos ricos em vitamina D e à prática de atividades ao ar livre.

VITAMINA B12

A vitamina B12, só está presente em produtos de origem animal. A sua deficiência pode causar alterações neurológicas e anemia megaloblástica. Dietas veganas podem favorecer a ocorrência dessa deficiência e, neste caso, deverão receber suplementação desta vitamina (*2,5).

VITAMINA C

A vitamina C tem como uma de suas funções a formação do colágeno e por esse motivo participa da estrutura óssea e da cartilagem, músculos e outros tecidos conjuntivos, além de auxiliar na cicatrização de feridas. É um antioxidante importante. A vitamina C facilita a absorção do ferro pelo organismo (*2,5).

Suplementação

Pesquisas realizadas com crianças suplementadas com vitaminas e minerais, apontam maior crescimento do que aquelas que não usaram suplementação com zinco, vitamina A e ferro. A deficiência desses nutrientes pode prejudicar o crescimento e o desenvolvimento cognitivo infantil (*7).

Médicos e demais profissionais de saúde tendem a recomendar a suplementação em casos de deficiências nutricionais, síndromes de má absorção ou ingestão insuficiente de vitaminas e minerais.

Embora as deficiências de micronutrientes possam ocorrer isoladamente, elas usualmente existem de forma combinada, devendo-se dar maior atenção às interações metabólicas que ocorrem entre elas. É reconhecida a interação entre o metabolismo do ferro, vitamina A e do zinco, pois a deficiência de um desses nutrientes pode prejudicar a utilização dos demais pelo organismo humano.

A suplementação vitamínica e mineral apresenta-se como uma opção favorável para suprir os déficits nutricionais da alimentação com baixo custo. 

Suplemento para crianças

Muito seletivas a alimentos, elas precisam ingerir a dosagem adequada de nutrientes. Os suplementos vitamínicos, que não substituem uma alimentação balanceada, se apresentam como um complemento viável e seguro para pais e responsáveis. Os mais indicados por pediatras são os comprimidos mastigáveis, soluções orais e efervescentes.

Lavitan, a marca líder em vitaminas e minerais (*8), conta com uma linha infantil completa de produtos na versão solução oral (a partir de 0 meses) com vitamina A, C, D, B1, B2, B3, B5, B6 e B12, e o comprimido mastigável (a partir de 4 anos) com vitamina A, C, D, B1, B6 e B12, trazendo como principais benefícios o aumento da imunidade. As vitaminas Lavitan Infantil não possuem glúten, açúcares e lactose.

Também para crianças a partir de 4 anos existe a versão efervescente no sabor Tutti Frutti. A fórmula do produto traz vitamina C, B1, B2, B3, B5, B6, B7, B9, B12 e zinco e pode ser uma opção às bebidas açucaradas tão desejadas pelo público infantil.

Outra opção a ser oferecida para crianças é o Tônico Lavitan, nos sabores tradicional e morango. Além de ser rico em ferro, possui vitaminas B7, B6 e B12.

Lavitan traz a Vitamina D 200UI em gotas, indicada para crianças a partir de 0 meses.

Conheça os benefícios dos principais nutrientes para o organismo:

Ferro – Contribui para o funcionamento do sistema imune e no metabolismo energético.

Vitamina A - Auxilia na visão e no metabolismo do ferro.

Vitamina D - Auxilia na formação de ossos, dentes e no funcionamento do sistema imune.

Vitamina C – Auxilia no funcionamento do sistema imune e na absorção de ferro pelos alimentos.

Vitamina B12 – Auxilia no metabolismo energético e na formação das células vermelhas do sangue.

Conheça aqui a linha completa de multivitamínicos Lavitan Patati Patatá.

Referências bibliográficas

1. Klein CJ. Nutrient requirements for preterm infant formulas. J Nutr. 2002;132(6 Suppl 1):1395S-577S.

2. Sociedade Brasileira de Pediatria. Guia Prático de Atualização. Departamento Científico de Endocrinologia. Hipovitaminose D em pediatria: recomendações para o diagnóstico, tratamento e prevenção. Sociedade Brasileira de Pediatria, 2016:.1-11

3. Wagner CL, Greer FR; American Academy of Pediatrics Section on Breastfeeding; American Academy of Pediatrics Committee on Nutrition. Prevention of rickets and vitamin D deficiency in infants, children and adolescents. Pediatrics. 2008;122(5):1142-52.

4. Maeda SS, Borba VZC, Camargo MBR, et al. Recomendações da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) para o diagnóstico e tratamento da hipovitaminose D. Arq Bras Endocrinol Metab. 2014;58(5):411-33.

5. WHO Library Cataloguing-in- Publication Data. Guidelines on food fortification with micronutrients. Editors: Allen L, Benoist B, Dary O, Hurrel R. [last accessed 2019 Jun 13]. Available from: https://www.who.int/nutrition/publications/guide_food_fortification_micronutrients.pdf.

6. Soares E, Pereira-da-Silva L, Cardoso M, Castro MJ. Vitaminas, minerais e oligoelementos por via entérica no recém-nascido. Revisão do Consenso Nacional. Acta Pediatr Port. 2015;46:159-69.

7. Greer FR. Update on nutritional recommendations for the pediatric patient. Adv Pediatr. 2011;58(1):27-39.

8. IQVIA - PMB MAT SET/2021 NEC 04A unidades.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Seu comentário aguardará aprovação antes de ser publicado no site

Sem Comentários