AOCP descarta anular concurso da PM e garante investigação das denúncias feitas

AOCP diz que inexiste qualquer possibilidade de anulação da prova, visto que não existe qualquer ilegalidade na aplicação da mesma e os fatos que foram denunciados, já estão sendo investigados.

Publicado em: 16 de Março de 2018
Foto Por: Governo do Tocantins
Autor: T1
Fonte: T1
Empresa organizadora do concurso descarta anulação das provas aplicadas

A empresa organizadora do concurso público da Polícia Militar do Tocantins, AOCP - Assessoria em Organização de Concursos Públicos LTDA, descartou qualquer possibilidade de anulação do certame e afirmou que já tomou as providências cabíveis quanto às denúncias realizadas, passando às autoridades competentes as informações para que sejam investigadas.

Sobre os fiscais terem localizado um celular no banheiro de um dos prédios onde se realizava as provas em Araguaína, a AOCP afirma que o aparelho “foi entregue as autoridades policiais para que possam investigar eventual tentativa de fraude, bem como identificar o proprietário”.

Quando as alegações sobre discrepância de conteúdo do edital com o que caiu na prova, a empresa afirma que “o candidato que se sentir prejudicado, poderá interpor o recurso na forma e prazo estipulados”, mas garante “todas as legislações necessárias aplicáveis aos cargos de segurança pública foram devidamente atendidas”.

Sobre candidatos terem fotografado a prova e publicado em redes sociais, a empresa afirma que não houve divulgação do conteúdo delas durante o período de realização das provas. “Os candidatos somente puderam levar o caderno de provas após o término do período de aplicação e as imagens divulgadas serão periciadas pelas autoridades competentes, no intuito de comprovar se as mesmas são verdadeiras, bem como se foram divulgadas durante o período de realização das provas”. A empresa afirma ainda que o candidato que fotografou a Folha de Respostas será eliminado, tendo o fato sido relatado em ata.


Confira nota na íntegra:

 

Em relação as matérias jornalísticas que relatam ocorrências de possíveis fraudes no concurso público da Polícia Militar do Estado do Tocantins, temos a esclarecer o seguinte:

O presente concurso público foi aplicado para mais de 86.532 candidatos, em 181 locais de aplicação e 349 salas, sendo para que a aplicação fosse realizada com tranquilidade e segurança, tenha sido necessário contar com mais de 700 fiscais de salas. Além disso haviam mais de 700 detectores de metais para averiguar qualquer suspeitar ou tentativa de fraude.

Todos os fiscais do concurso foram devidamente treinados de como proceder com as rotinas do concurso, através de vídeo e manuais de treinamento. No dia da aplicação da prova objetiva, a AOCP trabalhou exaustivamente e rigorosamente no intuito de que a prova objetiva transcorresse na mais perfeita ordem.

A fiscalização foi muito efetiva, tendo em vista que na cidade de Araguaína os fiscais de corredor e banheiros localizaram um celular. O celular localizado foi entregue as autoridades policiais para que possam investigar eventual tentativa de fraude, bem como identificar o proprietário do referido aparelho.

Quanto a discrepância de conteúdo alegado, informamos que o candidato  que se sentir prejudicado, poderá interpor o recurso na forma e prazo estipulados. Ressaltamos que todas as legislações necessárias aplicáveis aos cargos de segurança pública foram devidamente atendidas, conforme prevê o Edital do Concurso Público.

Quanto às alegações de violação de conteúdo sigiloso das provas, com a divulgação de imagens das provas do concurso, ressaltamos que inexistiu qualquer divulgação do conteúdo das mesmas durante o período de realização das provas. Os candidatos somente puderam levar o caderno de provas após o término do período de aplicação e as imagens divulgadas serão periciadas pelas autoridades competentes, no intuito de comprovar se as mesmas são verdadeiras, bem como se foram divulgadas durante o período de realização das provas.

Todos os candidatos foram alertados pelos fiscais de provas e pelo contido no Edital do Concurso sobre a vedação do uso do celular durante o período de realização das provas. Os fiscais de sala estiveram devidamente atentos e cumpriram de forma efetiva qualquer tentativa de uso do celular. Inclusive o caso da imagem da Folha de Respostas fotografada, foi relatado na ata da sala para eliminação do candidato responsável pela imagem.

Por fim, Inexiste qualquer possibilidade de ANULAÇÃO da prova aplicada, tendo em vista que não existe qualquer ilegalidade na aplicação da mesma e os fatos que foram denunciados, já estão sendo devidamente apurados pelas autoridades competentes.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.