Araguaína ultrapassa marca de 200 mortes causadas pela Covi-19: Perdemos o medo, diz médico

Cidade é a segunda do estado no número de casos e a que teve mais óbitos. Secretária diz que número de atendimentos e registros vem diminuindo, mas é preciso manter as medidas de prevenção.

Publicado em: 03 de Outubro de 2020
Foto Por: Reprodução/TV Anhanguera
Autor: G1 Tocantins
Fonte: G1 Tocantins
Ruas do comércio de Araguaína

Araguaína, no norte do Tocantins, ultrapassou a marca de 200 mortes em decorrência da Covid-19. A cidade é a segunda em número de casos e a que mais teve vítimas da doença no estado até esta quinta-feira (1°).

 

Os relatos de quem perdeu alguém para o coronavírus são muitos e demonstram a importância de seguir as recomendações da prevenção à doença. “Perdemos uma parente muito querida, uma pessoa muito amada e amável. Essa pessoa está nos fazendo muita falta, que é a minha tia Lindinalva. Perdemos ela e foi tudo muito rápido, quando menos imaginamos a minha tia já não estava entre nós”, lembrou o pastor Gledson Borges.

 

A paciente morreu a cerca de três meses e a família ainda tenta superar a dor da perda. “A doença vem, leva e você não tem o prazer de pelo menos velar o seu parente. De pelo menos ficar mais algumas horas com a pessoa. Simplesmente o seu parente é tirado de você de forma brusca, cruel e terrível. Então, cuide de você mesmo, cuide da sua família”, disse o pastor.

 

As primeiras mortes na cidade foram registradas no dia 11 de maio. O cenário vem se tornando mais preocupante ao longo dos meses. No início de junho eram 18 vítimas. Em 1º julho, os números se aproximavam de 60. Em agosto, o salto foi para 97 e em setembro para 157. No último boletim divulgado, nesta quinta-feira (1°), a cidade atingiu 202 óbitos.

 

"Perdemos o medo. 200 vidas são muitas vidas. Seria a mesa comparação que um acidente envolvendo quatro ônibus em que todas as pessoas morressem. Não é a penas um número, a gente chegou a um momento que é bem comum você conhecer alguém que foi a óbito ou possuir alguém em sua família que eventualmente foi acometida pela Covid", comparou o médico Luís Feitosa.

 

Os riscos são evidentes e a secretária de Saúde de Araguaína, Ana Paula Abadia, faz o alerta. “Por mais que estejamos com os números baixos, os números de casos confirmados, nas próprias unidades o atendimento diminuiu bastante, mas mesmo assim a população precisa ter a consciência de que não tem vacina ainda. Não existe a cura da Covid e tem que continuar com todas as medidas de prevenção”, afirmou.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.