Luana Ribeiro lança campanha nas redes sociais contra o feminicídio

Publicado em: 07 de Março de 2018
Foto Por: Divulgação
Autor: Glês Nascimento
Fonte: Ascom

No Tocantins, o  número de feminicídios subiu 81,8% em dez anos. Só em Palmas, a taxa de assassinatos de mulheres  cresceu 1.100% de 2003 a 2013. 

Os dados são do  Mapa da Violência contra as Mulheres de 2015.

Em busca de chamar a atenção para os números e diminuir a violência contra as mulheres, a deputada estadual Luana Ribeiro (PDT) lançou esta semana uma campanha nas redes sociais para relembrar os casos de mulheres vítimas do feminicídio no Tocantins.

O feminício é o assassinato de mulheres em contextos discriminatórios.

Ou seja, desprezando, menosprezando, desconsiderando a dignidade da vítima enquanto mulher, como se as pessoas do sexo feminino tivessem menos direitos do que as do sexo masculino. 

Em 2015, foi criada a Lei 13.104/2015, que alterou o Código Penal brasileiro ao adotar o feminicídio como qualificador dos assassinatos de mulheres por razões da condição de sexo feminino, tornando-o crime hediondo.

"Observamos pelas pesquisas já realizadas e pelos crimes divulgados na imprensa que a maioria dos casos envolve o atual parceiro ou ex-companheiro da vítima. Infelizmente, mesmo com as leis duras, inclusive a do feminicídio, vemos que não há intimidação nos crimes. Isso precisa mudar, desde a parte cultural até a transformação da realidade", ressaltou Luana.

 

Sessão solene

 

Nesta quarta-feira, dia 7 de março, às 15h,  a Assembleia Legislativa do Tocantins realiza a tradicional sessão solene em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, comemorado anualmente em 8 de março.

Neste ano, a indicação de 16 homenageadas teve como base o trabalho dessas mulheres em prol da sociedade tocantinense e tudo o que elas inspiram com seu talento e dedicação em várias atividades cotidianas. (Com informações DICOM/AL)

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.