Mais de 30 redes e armadilhas são apreendidas no Lago Azul em Araguaína

Decreto emitido pelo município em 2019 proíbe a pesca predatória no local. Quem for flagrado pode ser multado em até R$ 10 mil mais acréscimo por cada peixe.

Publicado em: 21 de Setembro de 2020
Foto Por: Reprodução/TV Anhanguera
Autor: G1 Tocantins.
Fonte: G1 Tocantins.
Espécies estão sendo reintroduzidas no Lago Azul

Durante dois meses foram apreendidos mais de 30 redes e outros equipamentos de armadilhas para peixes no Lago Azul em Araguaína.

 

Os fiscais estão inspecionando o local para evitar a pesca predatória, proibida por decreto municipal e lei federal. A ação faz parte de um projeto de revitalização do lago com espécies nativas da região.

 

De acordo com o analista ambienta da prefeitura, somente a modalidade de pesca e solta é permitido. "Nós estamos fazendo um serviço de fiscalização para coibir a pesca predatória. Tendo em vista que essa é uma prática criminosa de acordo com a lei de crimes ambientais. É permitida somente a prática de pesca e solta, ou seja, o pescador captura o peixe e depois ele devolve ao Lago", explicou.

 

As armadilhas são encontradas com frequência pelos fiscais. O Decreto municipal prevê que quem for flagrado pode ser multado em até R$ 10 mil com acrescimento de R$ 20 para cada quilo de pescado.

 

"A gente está fazendo esse serviço embasado em uma lei de crimes ambientais, no decreto municipal e também para fortalecer esse projeto aqui no lago sobre o repovoamento das espécies", disse o analista.

 

O projeto de revitalização do Lago Azul pretende reintroduzir mais de 200 mil peixes que foram extintos da região devido à pesca predatória durante 50 anos. Entre as espécies estão o Tambaqui, Pacu, Caranha, Piauçi, Surubim, Matrinchã, Curimatã e Pirarucu.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.