Pneus, animais mortos e fogo em lixão clandestino indignam moradores

Problema em Formoso do Araguaia continua. Lixão fica a 1 km do centro da cidade; catadores que sobrevivem da reciclagem pedem por coleta seletiva.

Publicado em: 07 de Março de 2018
Foto Por: Reprodução/TV Anhanguera
Autor: G1 TO
Fonte: G1 TO
Lixão clandestino fica em Formoso do Araguaia

O lixão clandestino, localizado a 1km do centro de Formoso do Araguaia, sul do Tocantins, continua incomodando quem mora na região.

O local está tomado pelo lixo doméstico, restos de animais mortos e pneus. Para piorar, os resíduos, muitas vezes são queimados e a fumaça preta preocupa a comunidade.

O local faz limite com as terras do fazendeiro Antônio Sebastião Alexandrine. Ele reclama da poluição.

"É muito plástico, é muita coisa podre. Isso é uma pouca vergonha, é o verdadeiro veneno para o lençol freático, estraga a represa e acaba com tudo. O que mais destrói a gente é isso aqui".

A proximidade com a cidade atrai pessoas em busca de materiais recicláveis.

É do lixo que o catador Cícero Alcino Leite tira o sustento da família. Mas o que ele gostaria é que fosse implantada na cidade a coleta seletiva e que o lixão fosse transformado em um aterro sanitário com estrutura para trabalhar.

"Se tivesse jeito de separar um pouco essa madeira, esses pneus, ter um lugar próprio para colocar eles era bem melhor. Não ficava essa mistura, os materiais não ficavam no meio do nosso trabalho. Fica mais fácil para a gente trabalhar".

A Prefeitura de Formoso foi procurada, mas não se manifestou.

O problema do lixão é antigo. O G1 falou sobre o caso em 2014. Diariamente toneladas de lixo são jogadas no lixão não há coleta seletiva e restos de animais são misturados com o lixo doméstico.

Ao final, todos os resíduos são queimados.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.