Servidor do Detran é preso suspeito de cobrar dinheiro de usuários para agilizar transferências de veículos

Funcionário trabalhava na sede do Departamento de Trânsito. Ele estaria cobrando R$ 50 de usuários e foi preso em flagrante.

Publicado em: 20 de Outubro de 2020
Foto Por: Detran/Divulgação
Autor: G1 Tocantins
Fonte: G1 Tocantins
Servidor cobrava dinheiro para agilizar transferência de veículos

Um servidor do Detran foi preso em flagrante nesta segunda-feira (19), em Palmas, suspeito de corrupção passiva. O suspeito trabalhava na sede do Departamento de Trânsito e estaria cobrando R$ 50 de usuários para agilizar processos de transferências de veículos.

 

A prisão foi feita pela equipe do núcleo de inteligência do Detran. O suposto esquema foi descoberto porque um dos agentes presenciou o momento em que três homens estavam conversando na sede do órgão.

 

Durante a conversa, um dos homens começou a se afastar e disse que não iria pagar nenhum "malandro" para ter suas questões resolvidas. O investigador se aproximou e percebeu o momento em que o servidor pegou uma pasta do homem que ainda estava no local.

 

Um denunciante relatou que estava na fila de espera quando foi abordado pelo suspeito se oferecendo para agilizar a transferência desde que pagasse R$ 50. O funcionário público ainda teria assegurado que "seria mais em conta do que os despachantes cobram e que seria bem mais rápido também".

 

Segundo a polícia, o servidor foi levado para a delegacia e preso em flagrante por corrupção passiva. A Polícia Civil vai investigar o caso.

 

O Detran alertou aos usuários que atos suspeitos ou criminosos devem ser denunciados para que as devidas providências sejam tomadas. "A atual gestão reafirma não compactuar com tais práticas criminosas e tem o compromisso de seguir as normas e leis estabelecidas", afirmou o órgão.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.